Banco que falha no dever de informação e faz cobanças indevidas deve indenizar o cliente

Banco que falha no dever de informação e faz cobanças indevidas deve indenizar o cliente

Segundo a decisão, o caso revelou a prática comercial de instituição financeira em fornecer empréstimos através da contratação de cartão de crédito, com desconto do valor mínimo da fatura em contracheque, o que acaba por gerar uma dívida renovável e, por conta disso, praticamente eterna.

A Desembargadora Joana dos Santos Meirelles,  do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), deu provimento a um recurso de consumidor, adotando o entendimento de que o silêncio, ainda que parcial do fornecedor a respeito de informações essenciais sobre a prestação dos serviços, se constitui numa violação ao direito de informação, elemento fundamental que regula a relação de confiança que deve imperar nos negócios jurídicos.   

O caso envolveu a contratação de um cartão de crédito consignado que o autor afirmou não ter contratado ou anuído, além de que, deveras, o que pretendeu ao procurar o Banco Bmg foi somente obter um empréstimo consignado comum. Segundo a peça que deu início ao processo, o Banco condicionou a contratação do empréstimo consignado à aquisição de cartão de crédito, que não foi recebido e que, emitido, como alegado pelo Banco, tampouco foi usado ou sequer desbloqueado. 

A decisão do TJ-AM destacou que o banco não conseguiu comprovar a regularidade da contratação, especialmente em relação ao dever de fornecer informações adequadas ao consumidor, exigido pela legislação específica. 

A sentença inicial foi reformada com base nas teses firmadas no Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas (IRDR) nº 0005217-75.2019.8.04.0000, que estipula a necessidade de comprovação detalhada e transparência na contratação de produtos financeiros. O banco foi condenado a restituir em dobro os valores pagos indevidamente pelo consumidor e a pagar uma indenização por danos morais, esta fixada em R$ 5 mil. 

Além disso, a decisão determinou a conversão do contrato de cartão de crédito consignado para um contrato de empréstimo consignado comum, conforme requerido no recurso.  

A decisão  ressalta que a violação do dever de informação e o princípio da boa-fé são suficientes para permitir a restituição do indébito e a indenização por danos morais, como no caso examinado. 

 Apelação Cível nº 0618830-13.2019.8.04.0001

 Gabinete da Desembargadora Joana dos Santos Meirelles 

 

Leia mais

Juiz mantém prisão de entregadores suspeitos de agredir morador de condomínio em Manaus

Durante audiência de custódia na terça-feira (16), o Juiz Rafael Rodrigo da Silva Raposo confirmou a legalidade da prisão dos entregadores Richarley Cavalcante Araújo,...

Casamento Coletivo em benefício de grupos socialmente vulneráveis será promovido no Amazonas

Solenidade ocorrerá na próxima sexta-feira (19/07) no Largo de São Sebastião (centro de Manaus) em benefício de 164 casais, incluindo: LGBTQIA+, PCDs, indígenas, idosos,...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Bemol é condenada por venda de mercadoria com vícios ocultos em Manaus

O Juiz George Hamilton Lins Barroso, da 22ª Vara...

Destaques

Últimas

Por não fazer nada, mulher vira ré pela tentativa de homicídio do filho

​Uma mulher virou ré na última sexta-feira (12/7) pela tentativa de homicídio do filho de apenas dois anos, em...

CCJ do Senado adia votação da PEC da autonomia financeira do BC

Para tentar chegar a um acordo com o governo federal, ficou para agosto a votação da Proposta de Emenda à...

Juiz mantém prisão de entregadores suspeitos de agredir morador de condomínio em Manaus

Durante audiência de custódia na terça-feira (16), o Juiz Rafael Rodrigo da Silva Raposo confirmou a legalidade da prisão...

Uso indevido de imagem em campanha publicitária gera dano moral

A Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba decidiu que o uso indevido de imagem em campanha...