TJDFT determina perda do cargo para policial condenado por roubo

TJDFT determina perda do cargo para policial condenado por roubo

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal acatou recurso do Ministério Publico para que o policial condenado por roubo, sofresse, também, a penalidade de perda da função de pública de policial civil.

O MPDFT ajuizou ação civil pública, na qual acusou o réu, ocupante do cargo de agente da Polícia Civil do DF, de ter articulado um assalto, no qual foram roubados R$ 166 mil reais da Obra Assistencial Santa Filomena, entidade da Igreja Brasileira, que fica na Asa Sul.

Segundo o MPDFT, o policial teria agido na investigação do crime para garantir que seu envolvimento e dos demais mandantes não fosse descoberta. Afirmou que o réu já foi condenado na esfera penal e também deveria ser condenado pela prática de ato de improbidade, pois teria obtido enriquecimento ilícito, mediante o uso de seu cargo.

O réu apresentou defesa, alegou que já houve aplicação de penalidades na ação penal e pediu a extinção da ação de improbidade. No entanto, o juiz substituto da 8ª Vara de Fazenda Publica do DF, á época, explicou que diante as punições que o réu já havia sofrido na ação penal, somente caberia na esfera cível a aplicação da multa civil. Assim, o condenou ao pagamento de multa civil no montante de R$ 50 mil reais.

O MPDFT recorreu sob o argumento de que como foi reconhecida a prática do ato de improbidade deveriam ser aplicadas as demais punições previstas: perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio do réu; perda do cargo público de agente da Polícia Civil do Distrito Federal; suspensão dos direitos políticos pelo prazo de 8 a 10 anos e a proibição de contratar com Poder Público pelo prazo de até 10 anos.

Os desembargadores entenderam que parte as alegações do MPDFT deveriam ser acolhidas para acrescentar à condenação de pagamento de multa civil,  a punição de perda da função publica.

A decisão foi unânime.

Processo: 0009439-92.2012.8.07.0018

Fonte: Asscom TJDFT

Leia mais

Proibir policial investigado de ser promovido na carreira viola a presunção de inocência

O Tribunal de Justiça do Amazonas definiu que as regras que dispõem sobre a moralidade administrativa não se confundem nem podem se sobrepor às...

Vítima de estelionato em venda de carro na OLX consegue rever o veículo

Após anunciar a venda do veículo na OLX, o proprietário do carro João Victor logo conseguiu um comprador. O interesse pelo automóvel foi tão...

Mais Lidas

Últimas

Publicações em rede social que provoquem risos não podem ser tidas como criminosas

A postagem na rede social Twitter consistiu no comentário sobre uma notícia, veiculada em telejornal estrangeiro, de furto de...

Incitar o crime por rede social é conduta que agride a paz pública

Por ter feito publicações no Facebbok enaltecendo uma facção criminosa e ter atingido um número indeterminado de público, Lucas...

STJ passa a receber inscrições para sustentação oral nas sessões virtuais de julgamento

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) começou ontem (10), a receber a inscrição de advogados para a realização de...

Pagamento dobrado de férias em atraso ao trabalhador é derrubado no STF

O empregador que era obrigado a pagar em dobro a remuneração de férias, inclusive o terço constitucional, sempre que...