Justiça de Pernambuco negou prisão à Sarí Corte Real, condenada pela morte do menino Miguel

Justiça de Pernambuco negou prisão à Sarí Corte Real, condenada pela morte do menino Miguel

Foto: Reprodução

Sarí Gaspar Corte Real, ex-primeira dama do município de Tamandaré-PE, teve pedido de prisão negado pela justiça de Pernambuco. Em primeiro grau, o juiz José Renato Bezerra condenou Sarí pelo crime de abandono de incapaz com resultado morte tipificado pelo artigo 133, §2° do Código Penal, cuja pena foi fixada em oito anos e seis meses de prisão, ganhando o direito de recorrer em liberdade.

Art. 133 – Abandonar pessoa que está sob seu cuidado, guarda, vigilância ou autoridade, e, por qualquer motivo, incapaz de defender-se dos riscos resultantes do abandono: § 2º – Se resulta a morte: Pena – reclusão, de quatro a doze anos.

Foto: Reprodução

Miguel Otávio de Santana era filho de Mirtes Santana, a empregada doméstica que trabalhava na casa de Sarí, e enquanto a mãe passeava com a cachorra da patroa, o menino que estava sob a sua guarda caiu do 9° andar de um prédio de luxo. O fato ocorreu em 2 de junho de 2020. Sua morte repercutiu e gerou protestos porque as imagens da câmera de segurança daquele andar indicou que Sarí apertou o botão do elevador para a cobertura do prédio, deixando a criança seguir sozinha.

Após sentença, novo pedido de prisão foi feito pela defesa da mãe de Miguel, mas o pedido foi negado pelo juiz Edmilson Cruz, auxiliar da 1ª Vara dos Crimes Contra Criança e Adolescente de Recife, por entender que não há fato novo que justifique reavaliar a decisão e fixou para que se mantenha a presunção de inocência até o trânsito em julgado da decisão caso haja recursos em instâncias superiores.

Leia mais

Juiz deve analisar condições sociais e pessoais do segurado em aposentadoria por invalidez

Segurado do INSS que nessa condição leva o Instituto Nacional do Seguro Social à condição de Réu em ação acidentária e cuja incapacidade para...

Proibir policial investigado de ser promovido na carreira viola a presunção de inocência

O Tribunal de Justiça do Amazonas definiu que as regras que dispõem sobre a moralidade administrativa não se confundem nem podem se sobrepor às...

Mais Lidas

Últimas

TRF-3 diz que marcas de indústria de brinquedo podem ser penhoradas

A Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) ratificou decisão da 10ª Vara de Execuções Fiscais...

Juiz deve analisar condições sociais e pessoais do segurado em aposentadoria por invalidez

Segurado do INSS que nessa condição leva o Instituto Nacional do Seguro Social à condição de Réu em ação...

Publicações em rede social que provoquem risos não podem ser tidas como criminosas

A postagem na rede social Twitter consistiu no comentário sobre uma notícia, veiculada em telejornal estrangeiro, de furto de...

Incitar o crime por rede social é conduta que agride a paz pública

Por ter feito publicações no Facebook enaltecendo uma facção criminosa e ter atingido um número indeterminado de público, Lucas...