Companheira fica sem direito a pensão se a viúva não era separada de fato do servidor falecido

Companheira fica sem direito a pensão se a viúva não era separada de fato do servidor falecido

A Desembargadora Onilza Abreu Gerth, do Tribunal do Amazonas, fixou em Acórdão que deliberou sobre o direito a pensão por morte ajuizado contra a AmazonPrev pela companheira de servidor falecido que a Autora do pedido do benefício, R.S.S., não teria direito a pensão por morte de servidor segurado do Instituto Previdenciário do Amazonas porque, no que dissesse respeito ao fato de em vida o funcionário tenha mantido relacionamento com a apelante, permaneceu casado com sua mulher, a viúva que, inclusive, foi a declarante do óbito do ex-servidor, revelando que a mesma acompanhou o segurado até os últimos momentos de vida, demonstrando que havia uma relação de casados entre eles, não havendo a separação de fato alegada pela Autora. 

A ação teve início ante a 3ª Vara da Fazenda Pública em Manaus e foi julgada improcedente, com a resolução do mérito, na forma prevista no artigo 487, I do Código de Processo Civil, sobrevindo o recurso de apelação da interessada que sustentou que a realidade fática se distanciou completamente do entendimento firmado pelo Juízo recorrido, e alegou que havia um documento da Sead onde constava que era a única dependente do falecido na condição de “mulher”.

Aduziu ainda que a matéria fática “convivência” fora demonstrada com um  contrato de locação em que haviam alugado um imóvel para coabitarem, com ânimo de constituir família, e houve o nascimento de uma criança dessa união, não havendo, pois, uma relação passageira, e que haviam provas suficientes de uma convivência pública, contínua e duradoura. 

No que pudesse pesar todos esses argumentos o julgado trouxe à colação o entendimento consolidado do Superior Tribunal de Justiça e do Supremo Tribunal Federal quanto aos direitos previdenciários à pensão, de forma exclusiva, sem configurar mancebia ou união paralela, como se entendeu ocorrer no caso examinado.

Se o instituidor da pensão- o falecido- assim vem a óbito, no estado de casado, sem estar separado de fato, não é a circunstância de que estivesse convivendo unicamente com a companheira, sem impedimento para que essa união evoluísse para o casamento ou de que inexistiria impedimento para a convolação do relacionamento em casamento que somente não se concretizaria pela vontade das partes. A sentença foi mantida. 

Processo nº 0602112-48.2013.8.04.0001

Leia o acórdão:

Apelação Cível n.º 0602112-48.2013.8.04.0001. Apelante: R.S.S. Apelado : Fundo Previdenciário do Estado do Amazonas – Amazonprev. EMENTA: PROCESSO CIVIL. DIREITO PREVIDENCIÁRIO. APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO ORDINÁRIA. PENSÃO POR MORTE. CÔNJUGE NÃOSEPARADA DE FATO. COMPROVAÇÃO DE CONVIVÊNCIA MARITAL COM O DE CUJUS À ÉPOCA DO ÓBITO. EX-SERVIDOR QUE MANTINHA RELACIONAMENTO COM OUTRA PESSOA, ORA APELANTE. SENTENÇA MANTIDA. PRECEDENTES DO STJ. RECURSO CONHECIDOE DESPROVIDO

Leia mais

É possível concessão de benefício previdenciário diverso do pedido, define TJAM

Em embargos de declaração aos quais se concedeu efeitos infringentes contra Acórdão que julgou Recurso de Apelação de Janira do Socorro de Azevedo Paixão...

Estupro de Vulnerável com vítima sobrinha impõe a acusado no Amazonas aumento de pena

Na ocasião em que a vítima, criança  de 07 anos, se deslocou para atender ao pedido de frutas solicitado pelo tio, Ciro Lima, em...

Mais Lidas

Últimas

Desvalorização no preço de carro leiloado em ação penal não gera indenização

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou recurso de um comerciante de 60 anos, residente em Itajaí...

DPU e MPF pedem R$ 50 milhões à União após mortes de Dom e Bruno no Amazonas

Manaus/AM - Após as mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, a Defensoria Pública da União...

TRT-MT nega indenização à trabalhadora que recusou ser reintegrada após gravidez ser descoberta

A Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (MT) negou o pedido da ex-empregada de um supermercado...

Empregado de Porto Alegre que falou mal da empresa em grupo de WhatsApp é despedido por justa causa

As mensagens foram enviadas pelo auxiliar administrativo para um grupo composto por pessoas estranhas à instituição de ensino onde...