Consumidor contemplado mas que não recebeu o veículo em Manaus pode exigir perdas e danos

Consumidor contemplado mas que não recebeu o veículo em Manaus pode exigir perdas e danos

A Desembargadora Onilza Abreu Gerth, concluiu que sendo o consumidor contemplado em consórcio e cujo bem não restou entregue ao argumento de não aprovação da contemplação porque o consorciado apresentava pendência de documentação, não autoriza a se aferir que tenha que esperar que o valor investido lhe seja restituído somente ao final do grupo do consórcio. No juízo recorrido, o Autor Weselys Santos, propôs a demanda contra Yamanha Administradora de Consórcio e TV Lar Comércio de Motos, mas a ação fora julgada parcialmente procedente.

O motivo do recurso pelo Autor se deu na razão de que fora contemplado em consórcio, pagou parcelas do ajuste, mas não recebeu o bem visado; após tentativas infrutíferas de fazer que as demandadas cumprissem o contrato, resolveu cancelar o consórcio e deixou de pagar as respectivas prestações. Porém, em primeiro grau, embora o juízo recorrido tenha reconhecido a falha na prestação dos serviços, entendeu que a restituição das parcelas pagas só poderia ser efetivada mediante contemplação por sorteio ou no prazo de 30 (trinta) dias após o encerramento do grupo. 

O fundamento da apelada, Yamaha de que o processo de contemplação quanto a entrega da motocicleta não foi finalizado porque houve pendência de documentação sendo considerado alegação sem prova, pois em momento algum se comprovou que o Autor tenha sido comunicado dessa pendência, concluiu-se então que não se ajustava razão para ter sido obstada a entrega do veículo ao demandante. 

O voto da Relatora, seguido unanimente pelos demais magistrados, culminou por manter a condenação  por danos morais a pessoa do autor, se entendendo razoável e proporcional a quantia de R$ 5.000,000 arbitrada. Lado outro, como o autor não conseguiu receber a moto visada, mesmo após ser contemplado no consórcio e tomando a iniciativa de rescindir o contrato, se concluiu, também, que não se cuidava de uma simples desistência do demandante, visto que a pretensão de rescisão do ajuste se deu por responsabilidade da Ré Yamaha.

Assim, se decidiu que não há como se conceber a retenção de valores ou a devolução ao final do grupo do consórcio, como pretendia a Ré, sob pena de indevida transferência de prejuízos oriundos do inadimplemento à parte inocente e de inobservância do preceito de que a parte lesada pode pedir o desfazimento do contrato, se não preferir exigir-lhe o cumprimento, cabendo em qualquer dos casos indenização por perdas e danos. 

Processo nº0641630-35.2019.8.04.0001

Leia o acórdão:

Apelação Cível – MANAUS/AM PROCESSO N.º 0641630-35.2019.8.04.0001. APELANTE: Weselys Muller Fernandes dos Santos. RELATORA: ONILZA ABREU GERTH. EMENTA: APELAÇÕES CÍVEIS. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS E MATERIAIS C/C RESCISÃO CONTRATUAL. CONSÓRCIO. ILEGITIMIDADE PASSIVA DE REPRESENTANTE COMERCIAL. PRELIMINAR AFASTADA. CONSORCIADO CONTEMPLADO. FALHA NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO. DANOS MORAIS CONFIGURADOS. MANUTENÇÃO DO QUANTUM INDENIZATÓRIO. DANOS MATERIAIS. RESTITUIÇÃO. POSSIBILIDADE. 1. Rejeita-se a preliminar de ilegitimidade passiva aduzida em sede de Contrarrazões pela TV LAR Comércio de Motos LTDA, tendo em vista que a sociedade empresária, representante comercial da administradora de consórcio, participou da relação A primeira Recorrente sustentou que o processo de contemplação do Demandante findou não aprovado por apresentar pendência de documentação. Entretanto, não há prova de que o Autor foi comunicado sobre tal pendência. Não se vislumbra razão hábil para ter sido obstada a entrega da moto objeto do consórcio ao Requerente; 3. Houve falha na prestação do serviço em comento, devendo a parte Ré responder objetivamente pelos danos ocasionados ao primeiro Apelado, de acordo com o que preconiza o art. 14, do CDC; 4. A impossibilidade de conclusão do negócio pretendido causou abalos e transtornos ao Demandante que ultrapassam o mero aborrecimento; 5. Forçosa é a manutenção do quantum indenizatório fixado na sentença em R$ 5.000,00 (cinco mil reais), posto que observa os princípios da razoabilidade e proporcionalidade, bem como as circunstâncias do caso concreto e sua a finalidade pedagógica; 6. Não há como conceber a retenção de valores ou a devolução ao final do grupo do consórcio, sob pena de indevida transferência dos prejuízos oriundos do inadimplemento à parte inocente; 7. Primeiro recurso conhecido e desprovido. Segundo recurso conhecido e provido

Leia mais

É possível concessão de benefício previdenciário diverso do pedido, define TJAM

Em embargos de declaração aos quais se concedeu efeitos infringentes contra Acórdão que julgou Recurso de Apelação de Janira do Socorro de Azevedo Paixão...

Estupro de Vulnerável com vítima sobrinha impõe a acusado no Amazonas aumento de pena

Na ocasião em que a vítima, criança  de 07 anos, se deslocou para atender ao pedido de frutas solicitado pelo tio, Ciro Lima, em...

Mais Lidas

Últimas

Desvalorização no preço de carro leiloado em ação penal não gera indenização

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou recurso de um comerciante de 60 anos, residente em Itajaí...

DPU e MPF pedem R$ 50 milhões à União após mortes de Dom e Bruno no Amazonas

Manaus/AM - Após as mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, a Defensoria Pública da União...

TRT-MT nega indenização à trabalhadora que recusou ser reintegrada após gravidez ser descoberta

A Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (MT) negou o pedido da ex-empregada de um supermercado...

Empregado de Porto Alegre que falou mal da empresa em grupo de WhatsApp é despedido por justa causa

As mensagens foram enviadas pelo auxiliar administrativo para um grupo composto por pessoas estranhas à instituição de ensino onde...