Uber deve indenizar consumidora por encomenda não entregue em Manaus

Uber deve indenizar consumidora por encomenda não entregue em Manaus

Manaus/Amazonas – O juiz Onildo Santana de Brito, da 3ª Vara do Juizado Especial Cível do Tribunal de Justiça do Amazonas condenou a Uber do Brasil a indenizar uma consumidora por não entregar uma encomenda no destino final.

Consta nos autos que a autora contratou os serviços da Uber flash para o transporte de um saco de box, que comprou pela OLX. De acordo com a autora, o produto foi entregue à Uber, mas o motorista cancelou a viagem e não entregou sua encomenda. Pediu a devolução do valor pago no produto e a condenação da ré pelos danos morais.

Na sentença, o magistrado considerou que a demanda versa sobre contrato de consumo, sendo a autora a destinatária final do produto/serviço fornecido pela empresa.

O juiz asseverou que “os aplicativos de mobilidade urbana são lidos como fornecedores de serviços, mas que através de seus termos tentam limitar sua responsabilidade, sempre afirmando que não será responsável por nenhum dano, obrigação ou prejuízo decorrente do uso de seus serviços ou de qualquer serviço de um prestador terceiro”.

Para o magistrado “essa posição viola o CDC completamente, já que o contrato estabelecido entre o fornecedor e consumidor nunca poderá suprimir os direitos da parte vulnerável, pois a legislação consumerista é a norma de ordem pública e interesse social”.

No caso, a Uber faz parte da cadeia de consumo como fornecedora de serviço de transporte de pessoas e de produtos, e por isso deve responder pelos atos que violem a prestação do serviço. Nesses casos, a empresa deve suportar os eventuais riscos da atividade empresarial, pois quando coloca um produto ou serviço no mercado de consumo, se assume as possibilidade que tal atividade infere.

Assim, o juiz condenou a Uber ao pagamento de R$ 2.824,00 de compensação pelos abalos morais e ainda terá que restituir o valor de R$ 70 reais. Da decisão cabe recurso.

Processo: 0580514-86.2023.8.04.0001

 

Leia mais

STF contraria STJ e declara válida invasão de casa por policial ante atitude do suspeito

O colegiado do Supremo Tribunal Federal, por maioria de votos, decidiu que são válidas invasões da Polícia Militar a domicílios nos casos em que...

Esposa pode pedir para retirar sobrenome do marido mesmo durante o casamento

Mesmo casada, a mulher tem o direito de solicitar a retirada do sobrenome adquirido após o matrimônio, por meio de um processo administrativo ou...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Bemol é condenada por venda de mercadoria com vícios ocultos em Manaus

O Juiz George Hamilton Lins Barroso, da 22ª Vara...

Últimas

Juiz absolve sumariamente ré em processo que tramitava havia dez anos

Por entender que a absolvição por falta de provas seria o desfecho natural do processo, que já se arrastava...

Fachin concede benefício e converte pena de condenado por tráfico

As denúncias anônimas e a apreensão de quantidades fracionadas de droga não comprovam a dedicação ao tráfico, não podendo,...

Averbação em matrícula de bem impenhorável não se confunde com a efetiva penhora

O fato de o devedor possuir bem considerado impenhorável, por si só, não afasta a possibilidade da averbação premonitória...

Justiça do Trabalho reintegra ao trabalho homem que pediu demissão durante quadro de depressão

A 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região (RO/AC) manteve a decisão da 1ª Vara do...