TJ-SC nega recurso e mantém punição a professor que teve “explosão” de ira em sala

TJ-SC nega recurso e mantém punição a professor que teve “explosão” de ira em sala

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ-SC) negou recurso e manteve punição a um professor que teve uma “explosão” de ira em sala de aula após discussão com alunos da 8ª série de uma escola municipal, em novembro de 2018. A decisão foi publicada no último dia 7 de junho.

A defesa do servidor recorreu ao tribunal para tentar anular Processo Administrativo Disciplinar (PAD) que resultou em sua suspensão por 30 dias, penalidade posteriormente transformada em multa pecuniária equivalente a 50% de seus vencimentos no período. O pedido também já havia sido negado pelo juiz que analisou o caso na 2ª Vara Cível da comarca de Videira.

Na decisão, o relator do TJ-SC, desembargador Luiz Fernando Boller, afirma que o recurso foi negado porque, ao contrário do que alegou o professor, não foi encontrada nenhuma irregularidade no processo administrativo disciplinar que levou à sua suspensão, “especialmente porque foi garantido o contraditório e ampla defesa”.

O caso aconteceu na Escola de Educação Básica Municipal Prefeito Waldemar Kleinubing, em Videira, município situado a 450 km de Florianópolis.

Segundo informações do processo, o PAD teve início após solicitação do Secretário Municipal de Educação de Videira, em 2018.

De acordo com o artigo 270 da Lei Complementar Municipal n. 129/2012, a “autoridade que tiver ciência de irregularidade no serviço público é obrigada a promover a sua apuração imediata, mediante sindicância ou processo administrativo disciplinar, assegurada ao acusado ampla defesa”.

A princípio, houve o “afastamento preventivo” do servidor pelo prazo de 90 dias, sem prejuízo de sua remuneração. Depois, foi instaurada portaria (Portaria n. 1439, de 29/11/2018) para nomear uma comissão de processo disciplinar, que passou a analisar o caso. O servidor foi notificado de todas as etapas do processo, participou das oitivas de testemunhas e apresentou defesa.

No final do processo, o relatório elaborado pela comissão foi submetido à avaliação do Chefe do Poder Executivo, que determinou a aplicação da penalidade de suspensão, convertida em multa equivalente a 50% por dia de vencimento ou remuneração, pelo período de 30 dias.

A comissão considerou que a punição administrativa é necessária “dada a magnitude da agressividade expressa durante a explosão, desproporcional em relação à provocação, mas especialmente considerando os estressores psicossociais precipitantes, no caso adolescentes do oitavo ano escolar (pessoas em desenvolvimento)”.

A conclusão foi de que o professor “poderia ter evitado os rumos do acontecimento, com maior autocontrole”.

A defesa do servidor recorreu à Justiça para pedir a nulidade da sentença e da decisão administrativa, alegando que houve “cerceamento de defesa”. Também solicitou a exclusão da pena de suspensão, a aplicação de penalidade mais branda, a restituição das quantias retidas, e a condenação do Município de Videira ao pagamento de indenização por danos morais.

‘Medida legítima’

De acordo com o relator do caso no TJ-SC, as alegações para anular a punição não têm fundamento, uma vez que o PAD seguiu os ditames legais, garantiu o direito ao contraditório e respeitou os preceitos constitucionais.

“À vista disso, demonstrada a regularidade do PAD-Processo Administrativo Disciplinar que ensejou a suspensão de (…) – especialmente porque garantido o contraditório e ampla defesa -, não cabe ao Judiciário adentrar na análise de mérito acerca da discricionariedade do ato, sobretudo porque ausente ilegalidade ou afronta aos princípios constitucionais”, afirmou Luiz Fernando Boller.

Para o desembargador, também é “descabida” a restituição de quantias descontadas do salário do servidor por ocasião da substituição da pena de suspensão por multa.

Ele citou o art. 256, § 3º, da Lei Complementar Municipal 130/2012, segundo o qual, quando houver conveniência para o serviço, “a penalidade de suspensão poderá ser convertida em multa, na base de 50% por dia de vencimento ou remuneração, ficando o servidor obrigado a permanecer em serviço”.

O TJ-SC também negou o pedido de indenização por danos morais, uma vez que não foi identificado nenhum ato ilícito por parte do Município de Videira. Na avaliação do tribunal, o município atuou “legitimamente na aplicação de medida proporcional e adequada à punição administrativa da conduta indevida do servidor no exercício da função”. A decisão foi unânime no colegiado.

Apelação 5001033-53.2020.8.24.0079

Fonte: Conjur

Leia mais

É possível concessão de benefício previdenciário diverso do pedido, define TJAM

Em embargos de declaração aos quais se concedeu efeitos infringentes contra Acórdão que julgou Recurso de Apelação de Janira do Socorro de Azevedo Paixão...

Estupro de Vulnerável com vítima sobrinha impõe a acusado no Amazonas aumento de pena

Na ocasião em que a vítima, criança  de 07 anos, se deslocou para atender ao pedido de frutas solicitado pelo tio, Ciro Lima, em...

Mais Lidas

Últimas

Desvalorização no preço de carro leiloado em ação penal não gera indenização

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou recurso de um comerciante de 60 anos, residente em Itajaí...

DPU e MPF pedem R$ 50 milhões à União após mortes de Dom e Bruno no Amazonas

Manaus/AM - Após as mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, a Defensoria Pública da União...

TRT-MT nega indenização à trabalhadora que recusou ser reintegrada após gravidez ser descoberta

A Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (MT) negou o pedido da ex-empregada de um supermercado...

Empregado de Porto Alegre que falou mal da empresa em grupo de WhatsApp é despedido por justa causa

As mensagens foram enviadas pelo auxiliar administrativo para um grupo composto por pessoas estranhas à instituição de ensino onde...