Ser incapaz por razão de idade não justifica anulação de cobrança do débito tributário

Ser incapaz por razão de idade não justifica anulação de cobrança do débito tributário

A pretensão executiva do Estado por débito fiscal com ação instruída com a Certidão de
Dívida Ativa revela interesse jurídico revestido de certeza e liquidez (art. 204, CTN), de modo que é ônus do contribuinte a desconstituição dessa presunção legal

O fato da pessoa ser menor de idade no momento do registro da sociedade empresarial não impede que exerça o papel de contribuinte, pois a capacidade tributária não se confunde com a capacidade civil. A determinação é do próprio CTN, ao prever que a capacidade tributária independente da capacidade civil das pessoas naturais.  

O contexto integra fundamentação da Primeira Câmara Cível do Amazonas, com voto do Desembargador Paulo Lima, do TJAM, dando provimento a recurso do Estado do Amazonas contra sentença que determinou o imediato desbloqueio do montante indisponibilizado nas contas bancárias de titularidade da pessoa jurídica executada por débito fiscal.

A decisão ressalta a importância de uma defesa robusta e bem documentada em casos de impugnação à dívida fiscal, por meio de oposição judicial e com uso do instrumento jurídico da exceção de pré-executividade em processos tributários- que é o meio de defesa nesses casos- além de esclarecer aspectos cruciais sobre a capacidade tributária e civil dos contribuintes.

O executado alegava ilegitimidade passiva na cobrança de tributos, mas não conseguiu apresentar provas inequívocas para sustentar sua alegação. A decisão do colegiado destacou que a simples apresentação da íntegra do Processo Administrativo Fiscal e da Certidão de Inteiro Teor do Registro da Pessoa Jurídica, contendo todas as alterações contratuais, seriam necessárias para comprovar a ausência de responsabilidade tributária da excipiente – réu executada que impugna a cobrança dos tributos na justiça.

Outro ponto relevante da decisão foi a discussão sobre a capacidade tributária. O relator enfatizou que o fato da excipiente ser menor de idade no momento do registro da sociedade empresária não a exime de sua responsabilidade tributária. A capacidade tributária é distinta da capacidade civil, conforme disposto no art. 126, inciso I, do Código Tributário Nacional. O recurso do Estado foi provido com a desfeita da  decisão da Vara da Dívida Ativa Estadual.

Classe/Assunto: Agravo de Instrumento / Dívida AtivaRelator(a): Paulo César Caminha e LimaComarca: ManausÓrgão julgador: Primeira Câmara CívelData do julgamento: 07/06/2024Data de publicação: 07/06/2024Ementa: AGRAVO DE INSTRUMENTO. TRIBUTÁRIO. EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE. PRESUNÇÃO DE CERTEZA E LIQUIDEZ DA CDA. AUSÊNCIA DE PROVA INEQUÍVOCA DA ALEGAÇÃO DE ILEGITIMIDADE PASSIVA. RECURSO CONHECIDO E PROVIDO

 

Leia mais

Juiz mantém prisão de entregadores suspeitos de agredir morador de condomínio em Manaus

Durante audiência de custódia na terça-feira (16), o Juiz Rafael Rodrigo da Silva Raposo confirmou a legalidade da prisão dos entregadores Richarley Cavalcante Araújo,...

Turma Recursal anula sentença e garante produção de provas em caso de acidente de trânsito

O juiz possui o poder discricionário de determinar quais provas são relevantes para o caso, baseando-se no conjunto de evidências presentes nos autos. A...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Bemol é condenada por venda de mercadoria com vícios ocultos em Manaus

O Juiz George Hamilton Lins Barroso, da 22ª Vara...

Destaques

Últimas

Juiz mantém prisão de entregadores suspeitos de agredir morador de condomínio em Manaus

Durante audiência de custódia na terça-feira (16), o Juiz Rafael Rodrigo da Silva Raposo confirmou a legalidade da prisão...

Uso indevido de imagem em campanha publicitária gera dano moral

A Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba decidiu que o uso indevido de imagem em campanha...

STF prorroga até setembro prazo de suspensão da desoneração da folha

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), prorrogou até 11 de setembro a suspensão do processo que...

Pedido de danos morais por cobrança de seguro indevido exige prova das ofensas

Cabe ao fornecedor garantir a eficiência e segurança do serviço prestado, evitando fraudes e inconsistências que prejudiquem o consumidor....