IPTU inexigível ante a prescrição do crédito não deve impedir venda de imóvel em Manaus

IPTU inexigível ante a prescrição do crédito não deve impedir venda de imóvel em Manaus

O Desembargador João de Jesus Abdala Simões deu por acertada a decisão do juízo da Vara Especializada da Dívida Ativa Municipal que concedeu medida cautelar para que a Prefeitura Municipal suspendesse a exigibilidade de crédito tributário corresponde a cobrança de IPTU considerada inexigível pela prescrição. A dívida remontaria aos anos de 2012 a 2014. O Município agravou, pois foi compelido a emitir certidão negativa de débitos municipais, e defendeu a tese de ilegitimidade da autora, Intercemente Brasil SA, que não seria a proprietária do imóvel, objeto do processo. O recurso foi rejeitado.

O juízo agravado considerou em sua decisão que  a partir dos documentos juntados pela Requerente os débitos referentes aos anos de 2012 a 2014, objeto da lide, não foram ajuizados, motivo pelo qual possivelmente restaram fulminados pela prescrição, pois a Municipalidade havia deixado de opor os executivos fiscais e concedeu a suspensão da cobrança em tutela de urgência com a determinação de que fosse expedido a certidão postulado a fim de que a interessada pudesse fazer a alienação de um imóvel localizado na Av. Puraquequara, em Manaus. 

A Prefeitura argumentou que não havia a evidência da probabilidade do direito ou de perigo de dano ao resultado útil do processo e de que a requerente sequer seria a parte legítima para compor o processo, pois o imóvel havia sido alienado para outra pessoa e que a decisão interlocutória foi precipitada. 

O julgado, no entanto, trouxe à baila o entendimento de que a legitimidade diz respeito ao vínculo entre os sujeitos de determinada demanda e a situação jurídica afirmada, que os autorizam a gerir o processo e que a ação se deu justamente porque a interessada necessitava de certidão negativa de ordem fiscal para viabilizar a alienação do bem, de onde se poderia concluir que sem o referido documento a dita alienação não poderia ser efetivada. 

Leia o acórdão:

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 4005106-52.2021.8.04.0000. Agravante: Município de Manaus. EMENTA: AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO ANULATÓRIA. LEGITIMIDADE. NÃO CONSTATADA. ALTERAÇÃO CADASTRAL TARDIA. AUSÊNCIA DE ELEMENTOS. RECURSO DESPROVIDO. I – A municipalidade defende que a agravada careceria de legitimidade em razão de não ser, ao tempo do ajuizamento da demanda, a proprietária do imóvel
objeto da lide, porquanto existente processo de avaliação do valor do Imposto de Transmissão de Bens Imóveis Inter-vivos (ITBI). II – Da análise dos autos, porém, observa-se que a proposição da ação se consumou, dentre outros aspectos, justamente porque a ora recorrida necessitava de certidão negativa de ordem fiscal para viabilizar a alienação do bem, de onde se conclui que sem o referido documento a dita alienação não poderia ser efetivada. III – Além disso, segundo a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ), “é incontroverso que o fato gerador do IPTU ocorreu antes da alienação do imóvel,
de modo que eventual incidência da norma de responsabilidade por sucessão não afasta a sujeição passiva do alienante”. IV – Quanto à alegada alteração cadastral tardia, notase que o próprio Boletim de Cadastro Imobiliário, com data de cadastramento em 13/12/2011, consigna a ora agravada como contribuinte principal. Vale anotar ainda que a alegada ausência de anotação conflita com certidões emitidas pelo Fisco Municipal, pelas quais se
demonstra que débitos anteriores a 2017 já eram exigidos da ora recorrida. V – Agravo de Instrumento conhecido e desprovido

 

Leia mais

É possível concessão de benefício previdenciário diverso do pedido, define TJAM

Em embargos de declaração aos quais se concedeu efeitos infringentes contra Acórdão que julgou Recurso de Apelação de Janira do Socorro de Azevedo Paixão...

Estupro de Vulnerável com vítima sobrinha impõe a acusado no Amazonas aumento de pena

Na ocasião em que a vítima, criança  de 07 anos, se deslocou para atender ao pedido de frutas solicitado pelo tio, Ciro Lima, em...

Mais Lidas

Últimas

Desvalorização no preço de carro leiloado em ação penal não gera indenização

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou recurso de um comerciante de 60 anos, residente em Itajaí...

DPU e MPF pedem R$ 50 milhões à União após mortes de Dom e Bruno no Amazonas

Manaus/AM - Após as mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, a Defensoria Pública da União...

TRT-MT nega indenização à trabalhadora que recusou ser reintegrada após gravidez ser descoberta

A Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (MT) negou o pedido da ex-empregada de um supermercado...

Empregado de Porto Alegre que falou mal da empresa em grupo de WhatsApp é despedido por justa causa

As mensagens foram enviadas pelo auxiliar administrativo para um grupo composto por pessoas estranhas à instituição de ensino onde...