Mercado Pago é condenado em Manaus porque consumidora não recebeu o produto adquirido pela internet

Mercado Pago é condenado em Manaus porque consumidora não recebeu o produto adquirido pela internet

O Juiz, Marcelo Manuel da Costa Vieira, acolheu pedido de Maria Auxiliadora Brandão da Silva em ação de reparação de danos materiais e morais porque a consumidora sofreu prejuízos após efetuar a compra de uma cadeira giratória pela internet, vindo a efetuar o pagamento do produto e mas não recebeu. O Magistrado ao sentenciar firmou que mostrou-se inequívoco a ocorrência na falha da prestação do serviço fomentado pela parte requerida.

Em sua contestação, o Mercado Pago requereu que fosse reconhecido sua ilegitimidade passiva para constar na ação, ao fundamento de que a compra não havia se consumado diretamente com a empresa, pois a venda teria sido realizada por Univer John Gutierri. A preliminar foi rejeitada. 

“Não merece prosperar a ilegitimidade passiva do réu Mercado Pago, pois o réu embora possua a qualidade de mantenedor do ambiente virtual em que se consumou o contrato de compra e venda, deve responder pelos termos da avença, posto que, no presente caso, operou como intermediador da venda, recebendo comissão sobre as vendas concretizadas”, firmou o juiz. 

O magistrado lembrou que havendo mais de um autor na ofensa, todos responderão solidariamente pela reparação dos danos  previstos nas normas de consumo. Destacou-se, também, na decisão, que, no caso, o Mercado Pago não figurou como mera fonte de classificados, porém, participou da compra como intermediador, havendo, assim, a solidariedade passiva contestada.

A decisão confirma que houve um ato ilícito, com falha na prestação do serviço fomentado pelo Mercado Pago e que o fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação de serviços. Foram fixados danos materiais e morais. 

Processo nº 0601395-21.2022.8.04.0001.

Leia o acórdão:

Autos n°: 0601395-21.2022.8.04.0001 A: Maria Auxiliadora Brandão Souza
R: Mercadopago.com Representações Ltda (Mercado Pago) e outros Vistos etc…
Trata-se de ação visando o pagamento de indenização pecuniária em face de prejuízos alegados como sofridos. Sustenta à autora, em síntese, ter adquirido junto aos requeridos
uma cadeira giratória em 16/04/2021, sendo que o produto não foi entregue até a presente data. Contestações apresentadas por MERCADOPAGO e UNIVER. Réu JOHN GUTIERRE citado, mas ausente, motivo pelo qual incide a revelia e seus efeitos pertinentes.
Porque dispensado o relatório, decido. Ante o que, por tudo mais quanto dos autos consta, JULGO PROCEDENTE o pedido formulado por Maria Auxiliadora Brandão Souza em face de Univer Store Comércio e Serviços Ltda, Nome Fantasia Shopping P, John Gutierre Sousa Borges e Mercadopago.com Representações Ltda (Mercado Pago), para: – condenar o réu ao pagamento da quantia de R$ 269,64 (duzentos e sessenta e nove reais e sessenta e quatro centavos) a parte autora, a título indenizatório pelos danos materiais sofridos, com juros (1%) e correção monetária da citação válida; – condenar o réu ao pagamento da quantia de R$ 4.000,00 (quatro mil reais) a parte autora, a título indenizatório pelos danos morais sofridos, com juros (1%) e correção monetária desta data.

Leia mais

Aluno não pode ser prejudicado por alteração de grade curricular, diz TJ/Amazonas

Julgado da Corte de Justiça firmou que embora a Universidade do Estado do Amazonas tenha autonomia didático científica, aí se incluindo a prerrogativa de...

Zona Franca não é incompatível com a política de redução da carga tributária, diz ABIR a Moraes

O Ministro Alexandre de Moraes recebeu pedido da ABIR-Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e Bebidas Não Alcóolicas para ingresso na ADI-7153, na qual...

Mais Lidas

Últimas

Aluno não pode ser prejudicado por alteração de grade curricular, diz TJ/Amazonas

Julgado da Corte de Justiça firmou que embora a Universidade do Estado do Amazonas tenha autonomia didático científica, aí...

Ulbra é denunciada por cobrar taxa de R$ 200 por colação de grau em Manaus

Manaus/AM - Alunos do Centro Universitário Luterano do Brasil (Ceulm/Ulbra), procuraram o Instituto de Defesa do Consumidor (Procon-AM), para...

Condenado a 26 anos pela morte da ex no Amazonas, homem vai pagar indenização a filhos da vítima

Além da condenação a 26 anos e três meses de prisão pelo crime de feminicídio, Mizael Augusto Rodrigues de...

Radialistas do RS receberão adicional por acúmulo de funções no mesmo setor

A Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve a condenação da Empresa Portoalegrense de Comunicação Ltda. (Rede Pampa)...