Empresa de eventos em Manaus deverá restituir por cobrança de festa de formatura não realizada

Empresa de eventos em Manaus deverá restituir por cobrança de festa de formatura não realizada

A Segunda Câmara Cível do Amazonas manteve a condenação por danos materiais e morais da empresa Animation Eventos Ltda mantendo a indenização em favor de Manoel Roque Júnior e outros que contrataram os serviços de assessoria completa em todos os eventos da formatura da 26ª turma de enfermagem da Universidade do Amazonas oferecidos pela empresa e que deveriam ser prestados na forma convencionada durante a realização da festa de formatura dos contratantes. Foi Relatora Onilza Abreu Gerth.

No caso concreto, os autores buscaram indenização material e moral pelo dano decorrente do contrato de prestação de serviço. O magistrado de piso entendeu que se tratava de uma relação de consumo e foi decidida com os parâmetros descritos no código de defesa do consumidor.

 Para o Judiciário houve, na hipótese, falha na prestação de serviços, tendo a empresa descumprido, inclusive, item essencial no dever de transparência e informação aos contratantes, por não efetuar o pagamento de fornecedores e nem repassar a informação aos interessados. 

Em segundo grau, o recurso da empresa foi denegado, e concluiu-se que restou incontroverso que os autores contrataram os serviços de assessoria completa em todos os eventos da formatura da turma oferecidos  pela empresa, e que não foram prestados na forma convencionada, mantendo-se a condenação sofrida em primeira instância.

Processo nº 0655601-24.2018.8.04.0001

Leia o acórdão:

PROCESSO N.º 0655601-24.2018.8.04.0001. APELANTE: Animation Eventos Ltda M e EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER C/C INDENIZAÇÃO POR
DANOS MATERIAIS E MORAIS. GRATUIDADE DA JUSTIÇA. PESSOA JURÍDICA. DEFERIMENTO. DANOS MORAIS CONFIGURADOS. MANUTENÇÃO DO QUANTUM
INDENIZATÓRIO. RECURSO CONHECIDO E DESPROVIDO.Vistos, relatados e discutidos os autos em epígrafe, DECIDE a colenda Segunda Câmara Cível do egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas por unanimidade de votos, CONHECER DO PRESENTE RECURSO E NEGAR-LHE PROVIMENTO, nos termos do voto da Relatora, que integra esta Decisão para todos os fins de direito. Sala das Sessões, em Manaus (AM.), Presidente Onilza Abreu Gerth Relatora

Leia mais

Havendo dúvida na violência doméstica, deve-se resolver a favor do réu

Ainda que no âmbito da violência doméstica e familiar contra a mulher, prevalece o princípio do in dubio pro reo quando a palavra da...

Múltiplas vítimas de assalto no Amazonas motivam denegação de Habeas Corpus ao acusado no STJ

A sentença condenatória que, nessa fase processual, fundamenta que o réu não poderá apelar em liberdade, e se utiliza, para sua fundamentação, dos requisitos...

Mais Lidas

Últimas

TST: Auditor fiscal do trabalho tem competência para reconhecer vínculo de emprego

A Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho decidiu que um auditor fiscal do trabalho tem competência para reconhecer...

Servidor inativo não precisa justificar para converter licença-prêmio em dinheiro, diz STJ

O servidor federal inativo tem direito a converter em dinheiro períodos adquiridos de licença-prêmio que não tenham sido por...

Ministro do STF mantém decisão do STJ que prorrogou afastamento de desembargadora do TJ-BA

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou o Habeas Corpus (HC) 213712, em que a defesa...

Ministra Rosa Weber julga inviável ação sobre revisão da política de cotas

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), considerou inviável (negou seguimento) ação em que o Partido Democrático...