É lei: Consumidor do Amazonas não deve suportar prejuízos decorrentes da perda de tempo

É lei: Consumidor do Amazonas não deve suportar prejuízos decorrentes da perda de tempo

O consumidor tem assegurado por lei no Estado do Amazonas que o tempo tem valor jurídico e assim deve ser reconhecido como direito humano e fundamental necessários para a consecução da vida, da liberdade, da existência e de outros direitos necessários à qualidade de vida digna e de um atributo da personalidade. Trata-se da Lei 5.867/2022, que vige no Estado.

O esforço e a desnecessária perda de tempo útil empregado para o reconhecimento dos direitos do consumidor passam a ser valorizados com a obrigatoriedade de que os estabelecimentos tenham de divulgar o tempo máximo de espera para atendimento em hipóteses que são previamente descritas nos termos da lei.

As concessionárias de serviços públicos de água, luz, telefone, agências bancárias e seus correspondentes, estabelecimentos de crédito, casas lotéricas, prestadores de serviços educacionais e de saúde privados no Estado do Amazonas, terão que disponibilizar funcionários suficientes no setor de atendimento ao público, para que o serviço seja feito em prazo hábil.

Se o consumidor tiver que desperdiçar seu tempo para tentar resolver problemas criados pelo fornecedor, deve ser ressarcido, pois restará caracterizado a desídia da empresa com a demora na prestação dos serviços e na solução das demandas que o consumidor pretenda obter. Assim, previamente, ficaram definidos que os serviços destacados no Art. 10 da retromencionada lei, estejam finalizados dentro dos períodos descritos na nova disposição legal. 

O atendimento para serviços de água, luz, casas lotéricas e outros serão viabilizados dentro do seguinte tempo: 15 minutos em dias normais; 20 minutos às vésperas e após os feriados prolongados; 25 minutos nos dias de pagamento de servidores públicos municipais, estaduais e federais. 

A lei estadual contempla que o tempo humano deve ser considerado para fins de reparação integral dos danos que a sua delonga possa causar ao consumidor, assim, o fornecedor dos serviços deverá envidar todos os esforços para prevenir a perda indevida do tempo do consumidor. O tempo do consumidor, pois, é um bem precioso, que deva ser considerado por sua relevância. 

Em sua essência, a lei traduz que o consumidor, em estado de carência e hipossuficiência e que ainda que tenha que despender seu tempo para ser atendido pelo fornecedor deve ter especial atenção. Essa regulamentação se embasa no conceito criado pelo advogado capixaba Marcos Dessaune, para o qual o tempo é um bem precioso, objeto fundamental para a vida, não se tolerando o “desvio produtivo do consumidor”, que consiste em interferência indevida do fornecedor que resulta no desperdício intolerável do tempo do consumidor, que finda por lhe causar um dano. 

Veja a Lei n° 5.867, DE 29 DE ABRIL DE 2022

 

 

Leia mais

É possível concessão de benefício previdenciário diverso do pedido, define TJAM

Em embargos de declaração aos quais se concedeu efeitos infringentes contra Acórdão que julgou Recurso de Apelação de Janira do Socorro de Azevedo Paixão...

Estupro de Vulnerável com vítima sobrinha impõe a acusado no Amazonas aumento de pena

Na ocasião em que a vítima, criança  de 07 anos, se deslocou para atender ao pedido de frutas solicitado pelo tio, Ciro Lima, em...

Mais Lidas

Últimas

Desvalorização no preço de carro leiloado em ação penal não gera indenização

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou recurso de um comerciante de 60 anos, residente em Itajaí...

DPU e MPF pedem R$ 50 milhões à União após mortes de Dom e Bruno no Amazonas

Manaus/AM - Após as mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, a Defensoria Pública da União...

TRT-MT nega indenização à trabalhadora que recusou ser reintegrada após gravidez ser descoberta

A Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (MT) negou o pedido da ex-empregada de um supermercado...

Empregado de Porto Alegre que falou mal da empresa em grupo de WhatsApp é despedido por justa causa

As mensagens foram enviadas pelo auxiliar administrativo para um grupo composto por pessoas estranhas à instituição de ensino onde...