Banco que age com segurança em bloqueio temporário não causa danos a cliente

Banco que age com segurança em bloqueio temporário não causa danos a cliente

Sem que o bloqueio da conta do correntista, por iniciativa do banco e por medida de segurança, se insira dentro de período que se traduza na excessividade alegada, além da incidência de provas de que a instituição financeira tenha agido por prevenção, com medida de segurança  na proteção ao cliente,  não cabe inferir ato ilícito na prática da medida de restrição temporária à conta e, por consequência, tampouco, que o ato tenha causado danos indenizáveis. 

Conquanto o correntista tenha recorrido da decisão, com vista ao propósito de obter a indenização pretendida, deliberou-se que o Banco agiu com responsabilidade, mormente porque a conta do autor não passou mais de um dia com o bloqueio reclamado. Na Turma Recursal o processo foi relatado pela Juíza Lídia de Abreu Carvalho. 

Na ação o autor narrou que é correntista do Banco C6 , e que precisou efetuar um Pix, porém, ficou impossibilitado pelo Banco  de realizar a transferência embora tivesse saldo em sua conta corrente.  Desta forma fundamentou um pedido de indenização por danos morais, alegando constrangimentos. 

Entretanto, no curso do processo o Banco conseguiu demonstrar que o bloqueio ocorreu como medida de segurança, após várias transações do mesmo valor realizadas através de pix num único dia, e que agiu cautelarmente, por uma questão de segurança. Aceitou-se que a instituição, desta forma agiu para prevenir o cliente de golpes e fraudes, como firmado na sentença recorrida. 

Prevaleceu o entendimento de que “a sensibilidade excessiva da parte que pugna indenização por danos morais é insuficiente para configurar abalo indenizável. No caso em apreço, restou configurado quando muito um mero dissabor do cotidiano”. A sentença da juíza Andréa Jane de Medeiros, do 13º Juizado Cível foi mantida pelos seus próprios fundamentos. 

Processo: 0640967-47.2023.8.04.0001 

Leia a ementa:

Recurso Inominado Cível / Indenização por Dano MaterialRelator(a): Lídia de Abreu Carvalho FrotaComarca: ManausÓrgão julgador: 3ª Turma RecursalData do julgamento: 07/04/2024Data de publicação: 07/04/2024Ementa: RECURSO INOMINADO. CONSUMIDOR. BLOQUEIO TEMPORÁRIO DE CONTA POR SUSPEITA DE FRAUDE. VÁRIAS TRANSAÇÕES DE MESMO VALOR. BLOQUEIO REALIZADO COMO MEDIDA DE SEGURANÇA. ATO ILÍCITO NÃO CONFIGURADO. RECURSO CONHECIDO E DESPROVIDO. SENTENÇA DE IMPROCEDÊNCIA MANTIDA POR SEUS PRÓPRIOS FUNDAMENTOS NA FORMA DA LEI Nº 9.099/1995, ART. 46. CUSTAS E HONORÁRIOS PELA RECORRENTE. EXIGIBILIDADE SUSPENSA

Leia mais

Em reunião com a Fundação Carlos Chagas, DPE-AM planeja novos concursos públicos

A Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) realizou uma reunião nesta terça-feira (28) com representantes da Fundação Carlos Chagas (FCC), em São Paulo,...

Nulidades processuais devem ser alegadas na primeira oportunidade, define TJAM

As nulidades processuais devem ser levantada na primeira oportunidade de manifestação nos autos, de modo que, quando apresentadas somente na fase recursal, são consideradas...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Bemol é condenada por venda de mercadoria com vícios ocultos em Manaus

O Juiz George Hamilton Lins Barroso, da 22ª Vara...

Destaques

Últimas

Advogado suspeito de integrar organização criminosa é proibido de atuar na área criminal

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) restringiu à área criminal a proibição do exercício profissional imposta...

Em reunião com a Fundação Carlos Chagas, DPE-AM planeja novos concursos públicos

A Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) realizou uma reunião nesta terça-feira (28) com representantes da Fundação Carlos...

STF suspende reintegração de posse do Complexo Mutamba, no Pará

O ministro Cristiano Zanin, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu a ordem de reintegração de posse do Complexo Mutamba,...

TRF6 rejeita recurso da União e dobra indenização à família de perseguido político

A 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 6ª Região negou uma apelação da União contra uma sentença a...