Amazonas deve pagar credores dentro da ordem cronológica que a lei exige, diz decisão

Amazonas deve pagar credores dentro da ordem cronológica que a lei exige, diz decisão

A suspensão de pagamento de dívidas de exercícios anteriores pelo Estado do Amazonas, a pretexto de razões de interesse público, foi rejeitada pela Corte de Justiça do Amazonas, em julgamento de recurso de apelação do Estado contra decisão concessiva de mandado de segurança a favor de Instrumental Técnico, sendo determinado o seguimento da ordem cronológica de pagamento, conforme previsto na Lei de Regência. Foi Relatora Carla Maria S. dos Reis. 

O Estado havia se louvado na Portaria nº 0001/2019 que dispôs sobre os procedimentos para reconhecimento de despesas de exercícios anteriores e pagamento dos débitos inscritos em restos a pagar processados até o exercício de 2019. A justificativa seria a de promover o ajuste fiscal e reequilibrar as contas, o que envolveria, segundo a PGJ as contas atuais e as contas pendentes decorrentes de serviços prestados em exercícios anteriores. 

O Estado também fundamentara que o pagamento de débitos antigos em detrimento de débitos atuais resultaria na falta de recursos para honrar o pagamento das dívidas mais recentes, e, assim, poderia haver repercussão negativa na prestação de serviços públicos. Não obstante, a própria legislação não tolera a inadimplência e o atraso nos pagamentos, com o fim de evitar burla ao tratamento diferenciado. 

O mandado de segurança havia sido concedido pelo juízo da Vara da Fazenda Pública, que considerou como não pertinentes as justificativas do Estado para o atraso no descumprimento da ordem cronológica de pagamentos, a que teria direito a impetrante, Instrumental Técnico Ltda, cujo direito ao recebimento do pagamento de faturas  concernentes a medicamentos e insumos entregues ao Estado se constituiria em ato líquido e certo.

Processo nº 0670945-11.2019.8.04.0001

Leia o acórdão:

DIREITO ADMINISTRATIVO, CONSTITUCIONAL E FINANCEIRO. APELAÇÃO CÍVEL EM MANDADO DE SEGURANÇA. OBSERVÂNCIA DA ORDEM CRONOLÓGICA DA LIQUIDAÇÃO DE DESPESAS. DIREITO LÍQUIDO E CERTO DO IMPETRANTE. EXPECTATIVAS LEGÍTIMAS. PRINCÍPIOS DA MORALIDADE, PROBIDADE E BOA-FÉ CONTRATUAL. RELEVANTES MOTIVOS DE INTERESSE PÚBLICO PARA NÃO PAGAMENTO QUE SÃO INIDÔNEOS. APELAÇÃO CÍVEL/REMESSA NECESSÁRIA DESPROVIDA. SENTENÇA CONFIRMADA. 1. A natureza célere de Mandado de Segurança exige a comprovação do direito líquido e certo, de plano, no ato da impetração, mediante prova pré-constituída. Nesse soar, a Impetrante colacionou documentos suficientes para a devida análise. 2. Confirma-se o direito subjetivo, líquido e certo, ao adimplemento das faturas concernentes aos medicamentos e insumos entregues ao Estado do Amazonas mediante observância da ordem cronológica de liquidação de despesas, de acordo com a data de exigibilidade – art. 5º da Lei n. 8.666/93. 3. Consoante previsto na legislação de regência, tem-se que a Portaria Conjunta mencionada pelo Estado do Amazonas não se presta a justificar os relevantes motivos de interesse público que justificariam a exceção à regra prevista no art. 5º da Lei n. 8.666/93, mormente porque justificativas genéricas de necessidade de observância do equilíbrio fiscal e da sustentabilidade da dívida pública são inaptas a delinear o interesse público autorizador da quebra da ordem cronológica de pagamento dos débitos, de acordo com a data da exigibilidade das faturas. 4. A não concretização de legítimas expectativas daqueles que firmam relação jurídica contratual com a Administração, por si só, é ato ilícito, ofensivo ao princípio da moralidade administrativa (art. 37, caput, da CF); ademais, a adoção de condutas contraditórias na execução contratual não se coaduna com a boa-fé objetiva e com a probidade, princípios gerais do contrato aplicáveis também ao contrato administrativo (art. 422 do Código Civil, combinado com o artigo 54 da Lei nº 8.666/93), cuja observância também é aplicável ao ente federativo contratante. 5. Não pode a Administração Pública, sem prévia justificativa idônea, prejudicar os credores de valores por bens e serviços entregues mediante os termos firmados em contratos, sob pena de infringência aos mais comezinhos princípios de direito. 6. Em harmonia com o parecer do Graduado Órgão do Ministério Público, conhece-se e nega-se provimento à presente apelação cível para manter a segurança já concedida pelo Juízo a quo, no sentido de determinar à CEMA e à SUSAM que observem a ordem cronológica de liquidação de despesas, de acordo com a data de exigibilidade das faturas, nos termos da fundamentação. (TJ-AM – AC: 06709451120198040001 Manaus, Relator: Carla Maria Santos dos Reis, Data de Julgamento: 13/07/2022, Câmaras Reunidas, Data de Publicação: 14/07/2022)

Leia mais

Regressão de regime de execução penal deve ser apurado mediante contraditório

A Defensoria Pública do Estado do Amazonas obteve em julgamento de Agravo de Execução Penal nos autos do processo 0000153-16.2021.8.04.0000, o reconhecimento de que...

Não se conhece de recurso por nulidade de citação sem demonstração de prejuízo à defesa

Nos autos de processo no qual E.E.O. de L, usou de recurso de apelação contra decisão que decretou medidas protetivas de urgência contra sua...

Mais Lidas

Últimas

Alexandre de Moraes não vê o risco de golpe dito como pré anunciado por apoiadores de Bolsonaro

O futuro Presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Alexandre de Moraes, teria, reservadamente, falado a assessores que não há temor...

Regressão de regime de execução penal deve ser apurado mediante contraditório

A Defensoria Pública do Estado do Amazonas obteve em julgamento de Agravo de Execução Penal nos autos do processo...

Não se conhece de recurso por nulidade de citação sem demonstração de prejuízo à defesa

Nos autos de processo no qual E.E.O. de L, usou de recurso de apelação contra decisão que decretou medidas...

Não merece reforma decisão que nega acolhimento a recurso por falta de previsão legal

No bojo de investigações que foram instauradas mediante prisão em flagrante delito ante Plantão Criminal da Comarca de Coari/AM,...