Primeira Câmara Cível do TJAM mantém sentença para indenizar consumidor por serviço não contratado

Primeira Câmara Cível do TJAM mantém sentença para indenizar consumidor por serviço não contratado

Foto; Reprodução

A Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Amazonas decidiu pelo improvimento de recurso e manutenção de sentença que determinou o ressarcimento de valores cobrados indevidamente por serviço de internet móvel não contratado e indenização por dano moral.Esta decisão foi unânime, na sessão desta segunda-feira (22/11), de acordo com o voto do relator, desembargador Cláudio Roessing, na Apelação Cível n.º 0637863-62.2014.8.04.0001.

Em 1.º Grau, sentença da 4.ª Vara Cível e de Acidentes de Trabalho considerou a inexistência de débito e condenou empresa de telefonia à devolução simples do valor cobrado e à indenização de R$ 7 mil por dano moral.

O cliente alegou ter sido cobrado por serviço o qual não contratou após mudar de plano corporativo para pessoa física e que procurou resolver a questão de forma administrativa. Já a empresa fornecedora do serviço não comprovou que o serviço de internet por via telefone móvel foi adequadamente prestado e utilizado.

“Ou seja, não contraditou a assertiva da consumidora de que o serviço de internet móvel fora sequer contratado. Ora, nítida é a aplicação da inversão do ônus da prova (art. 6.º, inc. VIII, do CDC), vez que se trata de relação consumerista e a autora parte hipossuficiente para produzir tal prova”, afirmou na sentença a juíza Naira Norte.

A magistrada também considerou que houve descaso da requerida em solucionar administrativamente o litígio, além da interrupção sem aviso prévio do serviço de telefonia contratado, como condutas aptas em causar dano de ordem extrapatrimonial. E observou que deve haver reparação quando ocorre ato ilícito, configurado por dano causado pelos agentes com dolo (prejuízo intencional, por ação ou omissão) ou culpa (violação do direito alheio, por negligência, imperícia ou imprudência).

“O dano moral, assim, traduz-se empiricamente na reação psíquica, no desgosto experimentado pelo Requerente que não pôde valer-se de seu prefixo de telefone móvel que era utilizado, inclusive, em seu meio laboral. Tal abalo configura modalidade de dano, inclusive moral, porquanto encerra os prejuízos que alguém sofre na alma, no corpo ou em seus bens”, avaliou a magistrada.

Fonte: Asscom TJAM

Leia mais

Turma Recursal anula sentença e garante produção de provas em caso de acidente de trânsito

O juiz possui o poder discricionário de determinar quais provas são relevantes para o caso, baseando-se no conjunto de evidências presentes nos autos. A...

Indenização por danos a aparelhos elétricos não depende de prova da propriedade dos bens

O consumidor dos serviços da concessionária de energia elétrica tem o direito de ser ressarcido pelos danos causados aos equipamentos instalados na unidade consumidora....

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Bemol é condenada por venda de mercadoria com vícios ocultos em Manaus

O Juiz George Hamilton Lins Barroso, da 22ª Vara...

Destaques

Últimas

Uso indevido de imagem em campanha publicitária gera dano moral

A Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba decidiu que o uso indevido de imagem em campanha...

STF prorroga até setembro prazo de suspensão da desoneração da folha

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), prorrogou até 11 de setembro a suspensão do processo que...

Pedido de danos morais por cobrança de seguro indevido exige prova das ofensas

Cabe ao fornecedor garantir a eficiência e segurança do serviço prestado, evitando fraudes e inconsistências que prejudiquem o consumidor....

Alegação de fraude em débito sem consistência jurídica é julgada improcedente pela Justiça

Não é razoável acreditar que um suposto fraudador parcele a dívida e realize o pagamento de débitos anteriores da...