Na Alemanha, mulher é condenada por furar camisinha para engravidar do parceiro contra sua vontade

Na Alemanha, mulher é condenada por furar camisinha para engravidar do parceiro contra sua vontade

Uma mulher de quase 40 anos foi condenada a cumprir seis meses de prisão em liberdade condicional por furar o preservativo de seu parceiro com a intenção de engravidar sem a vontade dele. O caso aconteceu na Alemanha.

De acordo com o jornal alemão, a mulher conheceu o homem em um site de relacionamento amoroso no ano passado. A mulher, Melanie, se encontrou algumas vezes com Florian para fazer sexo casual, mas o parceiro não manifestava a vontade de manter um relacionamento sério. Em um dos encontros, a mulher furou as camisinhas na tentativa de engravidar para manter o vínculo.

Ao ser ignorada, a mulher confessou que furou as camisinhas durante uma briga dos ficantes pelo WhatsApp, em áudio ela confessou: “Eu furei nossas camisinhas. Acho que estou grávida”.

Com base no áudio, o homem denunciou a mulher e ela admitiu as acusações. A juíza que apreciou o caso entendeu que a conduta da acusada se configurava na prática de “Stealthing”, que é geralmente cometida por homens, quando o parceiro retira a camisinha durante a relação sexual sem o consentimento da parceira. Apesar do crime, Melanie e Florian continuam se relacionando.

A Lei Penal Brasileira não prevê essa conduta numa tipificação específica. Por isso, o  Projeto de Lei 965/22, prevê prisão de 1 a 4 anos nos casos em que, durante a relação sexual, alguém retirar propositalmente o preservativo, ou deixar de colocá-lo sem o consentimento do parceiro ou da parceira. O Projeto é do deputado federal Delegado Marcelo Freitas (União-MG). Leia mais:

Projeto prevê prisão de quem retirar camisinha sem consentimento durante o sexo

Leia mais

Home Care em Manaus é direito em plano de saúde dentro da rede credenciada de Seguradora

Ao aderir a um plano de saúdo, o consumidor já tem ciência de quais hospitais e profissionais fazer parte da rede conveniada e, se...

Aluno não pode ser prejudicado por alteração de grade curricular, diz TJ/Amazonas

Julgado da Corte de Justiça firmou que embora a Universidade do Estado do Amazonas tenha autonomia didático científica, aí se incluindo a prerrogativa de...

Mais Lidas

Últimas

Home Care em Manaus é direito em plano de saúde dentro da rede credenciada de Seguradora

Ao aderir a um plano de saúdo, o consumidor já tem ciência de quais hospitais e profissionais fazer parte...

Atentado contra os pais cometido por menor também é causa de exclusão da herança, decide STJ

Ao rejeitar o recurso especial de um homem que matou os pais quando tinha 17 anos de idade, a...

União e Funai têm até um ano para destinar área de sobrevivência ao grupo indígena Fulkaxó

A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve decisão que estabeleceu o prazo de até um ano...

CNJ mantém decisão que impediu posse de juiz branco em vaga de cotista

O Plenário do Conselho Nacional de Justiça ratificou a liminar que suspendeu a posse de candidato a concurso para...