Homem que roubou e matou amigo na véspera do Natal é condenado a 30 anos de prisão

Homem que roubou e matou amigo na véspera do Natal é condenado a 30 anos de prisão

A Vara Criminal da comarca de Campos Novos, no meio-oeste, condenou um homem a 30 anos de reclusão, em regime fechado, por latrocínio. O réu roubou o carro, o celular e R$ 2,5 mil do amigo e o matou com, pelo menos, sete golpes de faca na semana do natal, em 2019.

Os dois homens trabalhavam juntos. De acordo com os autos, o réu, inclusive, frequentava a casa da vítima, que foi vista com vida pela última vez na noite de 20 de dezembro. Conforme a denúncia, o acusado foi avistado ao volante do carro do amigo no dia seguinte, em uma cidade vizinha. Com problemas mecânicos, ele precisou chamar um guincho.

Na véspera do Natal, em uma confraternização no trabalho, o réu apareceu com hematoma no olho, o que indica uma possível luta corporal em oportunidade anterior. Ele buscava a todo custo esconder a lesão. Neste mesmo dia, o corpo da vítima foi encontrado no interior do município de Campos Novos.

O acusado tentou vender o celular do amigo por R$ 400 e explicou que o celular era do seu irmão. A caixa do aparelho foi encontrada em sua casa. Ele também subtraiu o dinheiro que a vítima havia recebido do empregador, no dia 20. Quando foi encontrado pelas autoridades policiais, o réu já não possuía o aparelho e o dinheiro. A sentença que o condenou é passível de recurso no Tribunal de Justiça.

Com informações do TJ-SC

Leia mais

STF contraria STJ e declara válida invasão de casa por policial ante atitude do suspeito

O colegiado do Supremo Tribunal Federal, por maioria de votos, decidiu que são válidas invasões da Polícia Militar a domicílios nos casos em que...

Esposa pode pedir para retirar sobrenome do marido mesmo durante o casamento

Mesmo casada, a mulher tem o direito de solicitar a retirada do sobrenome adquirido após o matrimônio, por meio de um processo administrativo ou...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Bemol é condenada por venda de mercadoria com vícios ocultos em Manaus

O Juiz George Hamilton Lins Barroso, da 22ª Vara...

Últimas

Juiz absolve sumariamente ré em processo que tramitava havia dez anos

Por entender que a absolvição por falta de provas seria o desfecho natural do processo, que já se arrastava...

Fachin concede benefício e converte pena de condenado por tráfico

As denúncias anônimas e a apreensão de quantidades fracionadas de droga não comprovam a dedicação ao tráfico, não podendo,...

Averbação em matrícula de bem impenhorável não se confunde com a efetiva penhora

O fato de o devedor possuir bem considerado impenhorável, por si só, não afasta a possibilidade da averbação premonitória...

Justiça do Trabalho reintegra ao trabalho homem que pediu demissão durante quadro de depressão

A 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região (RO/AC) manteve a decisão da 1ª Vara do...