Advogado fala de IA voltada para o elemento humano em primeira obra individual

Advogado fala de IA voltada para o elemento humano em primeira obra individual

O advogado Fábio Lindoso e Lima lança sua primeira obra individual, nesta quarta-feira (15/05), às 19h30, em cerimônia no Palácio Rio Negro, na avenida Sete de Setembro, 1546, centro. Intitulado “Inteligência Artificial e o Princípio da Precaução”, o livro é fruto do seu trabalho de dissertação de mestrado junto à Univali em regime de dupla titulação com a Universidade de Perugia, na Itália.

“Esse perfil de pesquisa engloba aspectos dos dois países e a abordagem da União Europeia nesse tema está bastante presente no trabalho”, destaca o autor. Graduado em Direito pela Universidade Federal do Amazonas, Fábio Lindoso e Lima é especialista em direito civil e processual civil pelo Ciesa.

Neste trabalho, o advogado faz uma análise histórica da Inteligência Artificial e do princípio da precaução, muito utilizado no direito ambiental, traçando paralelos entre os seus contextos.

“Diria que os principais pontos tratados na obra são identificar esse paralelo com o passado e utilizar as lições e a construção conceitual do princípio da precaução para aproveitá-lo como instrumento para desenvolver uma IA voltada para o elemento humano e que não busque apenas a finalidade econômica”, afirma Fábio.

Necessidade de discussão

Em sua opinião, vivemos um cenário de grandes riscos e incertezas quanto à aplicação da IA, parecido com outros momentos de grande avanço tecnológico, por isso a preocupação de expandir as discussões em torno da questão. “Penso também que até nos próximos anos vai se tornar essencial para todos aprendam a lidar com as IAs de forma responsável e segura”, observa.

Para Fábio, o Poder Judiciário deveria investir na formação de juízes que tenham também esse ferramental. “Para ser humanístico hoje em dia o juiz vai precisar entender de tecnologia, ou ficará refém dela ou de quem a tenha criado”, completa.

O autor não deixa de enumerar os aspectos positivos do uso da IA pelo Judiciário, como solução de casos repetitivos e de baixa complexidade, complementando o sistema de precedentes, mas faz o contraponto com preocupações inerentes ao ecossistema do direito.

“Um dos riscos que a doutrina já elenca é a fossilização do direito, uma vez que as IAs empregadas nesse tipo de tarefa só contemplam o direito já existente, casos que já foram julgados e conceitos já formatados doutrinariamente. Há então um risco de que o direito fique parado no tempo e descolado da sociedade”, alerta o advogado.

Texto: Artur Cesar

Leia mais

Em reunião com a Fundação Carlos Chagas, DPE-AM planeja novos concursos públicos

A Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) realizou uma reunião nesta terça-feira (28) com representantes da Fundação Carlos Chagas (FCC), em São Paulo,...

Nulidades processuais devem ser alegadas na primeira oportunidade, define TJAM

As nulidades processuais devem ser levantada na primeira oportunidade de manifestação nos autos, de modo que, quando apresentadas somente na fase recursal, são consideradas...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Bemol é condenada por venda de mercadoria com vícios ocultos em Manaus

O Juiz George Hamilton Lins Barroso, da 22ª Vara...

Destaques

Últimas

Em reunião com a Fundação Carlos Chagas, DPE-AM planeja novos concursos públicos

A Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) realizou uma reunião nesta terça-feira (28) com representantes da Fundação Carlos...

STF suspende reintegração de posse do Complexo Mutamba, no Pará

O ministro Cristiano Zanin, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu a ordem de reintegração de posse do Complexo Mutamba,...

TRF6 rejeita recurso da União e dobra indenização à família de perseguido político

A 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 6ª Região negou uma apelação da União contra uma sentença a...

Desastre de Mariana: TRF rejeita recurso de mineradoras e reconhece mais áreas atingidas

A 4ª Turma do TRF6 julgou um agravo de instrumento apresentado pelas empresas Samarco, Vale e BHP contra uma...