Acusado de feminicídio é condenado a mais de 35 anos de prisão

Acusado de feminicídio é condenado a mais de 35 anos de prisão

O Tribunal do Júri de Ceilândia condenou Eduardo Regis da Cruz pelo crime de feminicídio cometido contra a ex-namorada. A decisão fixou a pena de 35 anos, um mês e seis dias de reclusão, em regime fechado.

Conforme a denúncia, em 10 de agosto de 2022, no Sol Nascente/Pôr do Sol, o acusado agrediu a vítima Luciana que, em razão das lesões sofridas, não resistiu e morreu no local. Consta no documento que o casal começou relacionamento havia três meses e moravam na mesma residência, junto com os dois filhos da vítima, que na época tinham dois anos de idade. Os vizinhos ainda tentaram socorrer a mulher, após o réu ter simulado que a casa teria sido invadida. Ao chegar no local, o Corpo de Bombeiros encontrou a vítima sem sinais vitais.

A defesa do réu pediu a sua absolvição, por embriaguez completa involuntária, ou a retirada da qualificadora da motivação torpe e do feminicídio. Solicitou ainda o reconhecimento do privilégio da violenta emoção, após injusta provocação da vítima. No entanto, os jurados condenaram o réu por feminicídio e negaram a existência da violenta emoção, alegada pela defesa.

Ao fixar a pena, o Juiz Substituto considerou o fato de o acusado ter simulado que teria ocorrido assalto na residência, a fim de induzir a erro a investigação.Também destacou o impacto que o crime causou nos filhos da vítima, sobretudo porque presenciaram o fato. Assim, para o magistrado, “os indícios de autoria vieram a ser reforçados pela condenação plenária nesta data e os motivos para a segregação cautelar se mantém hígidos”, finalizou.

O réu não poderá recorrer em liberdade.

Processo: 0722465-15.2022.8.07.0003

Com informações do TJ-DFT

Leia mais

STF contraria STJ e declara válida invasão de casa por policial ante atitude do suspeito

O colegiado do Supremo Tribunal Federal, por maioria de votos, decidiu que são válidas invasões da Polícia Militar a domicílios nos casos em que...

Esposa pode pedir para retirar sobrenome do marido mesmo durante o casamento

Mesmo casada, a mulher tem o direito de solicitar a retirada do sobrenome adquirido após o matrimônio, por meio de um processo administrativo ou...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Bemol é condenada por venda de mercadoria com vícios ocultos em Manaus

O Juiz George Hamilton Lins Barroso, da 22ª Vara...

Últimas

Juiz absolve sumariamente ré em processo que tramitava havia dez anos

Por entender que a absolvição por falta de provas seria o desfecho natural do processo, que já se arrastava...

Fachin concede benefício e converte pena de condenado por tráfico

As denúncias anônimas e a apreensão de quantidades fracionadas de droga não comprovam a dedicação ao tráfico, não podendo,...

Averbação em matrícula de bem impenhorável não se confunde com a efetiva penhora

O fato de o devedor possuir bem considerado impenhorável, por si só, não afasta a possibilidade da averbação premonitória...

Justiça do Trabalho reintegra ao trabalho homem que pediu demissão durante quadro de depressão

A 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região (RO/AC) manteve a decisão da 1ª Vara do...