“Saidinhas” da prisão e o novo projeto de lei. Confira o que muda se aprovado

“Saidinhas” da prisão e o novo projeto de lei. Confira o que muda se aprovado

Foto: Reprodução Web

A Câmara dos Deputados aprovou ontem (3), em Brasília, o projeto de autora da ex-senadora Ana Amélia (PSD), Rio Grande Sul. O texto acaba com a possibilidade de saída temporária de presos, tais como aquelas ocorrentes nos indultos de Páscoa, Dia das Mães, Dia dos Pais e no fim de ano, em alteração a vigente lei 7.210/84, lei de execução penal. 

O projeto, se aprovado no Senado, também trará reflexos sobre o uso da tornozeleira eletrônica, bem como trará inovações sobre os critérios para a progressão do regime de execução da pena privativa de liberdade. 

A saída temporária tem o sentido de visita à família ou estudos a presos do regime semiaberto que tenham cumprido o mínimo de 1/6 da pena, desde que primário, e 1/4, se for reincidente, exigido, também, o bom comportamento. Essa saída tem a duração de 7 dias, cinco vezes ao ano. Esse direito já não mais detinha o preso condenado por crime hediondo com morte, desde a edição do pacote anticrime. Pela nova lei essa saída temporária é extinta para todos os presos. 

Quanto ao uso da tornozeleira eletrônica, o projeto destaca que o juiz da execução determine a utilização de tornozeleira eletrônica pelo preso na pena restritiva de direitos que limite a frequência a lugares específicos, na liberdade condicional e nas penas de regime aberto e semiaberto. Pela lei atual, a tornozeleira pode ser usada para monitoramento das saídas temporárias do regime semiaberto e na prisão domiciliar. O Projeto voltou para a origem, o Senado Federal. 

 

Leia mais

Juiz deve analisar condições sociais e pessoais do segurado em aposentadoria por invalidez

Segurado do INSS que nessa condição leva o Instituto Nacional do Seguro Social à condição de Réu em ação acidentária e cuja incapacidade para...

Proibir policial investigado de ser promovido na carreira viola a presunção de inocência

O Tribunal de Justiça do Amazonas definiu que as regras que dispõem sobre a moralidade administrativa não se confundem nem podem se sobrepor às...

Mais Lidas

Últimas

TRF-3 diz que marcas de indústria de brinquedo podem ser penhoradas

A Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) ratificou decisão da 10ª Vara de Execuções Fiscais...

Juiz deve analisar condições sociais e pessoais do segurado em aposentadoria por invalidez

Segurado do INSS que nessa condição leva o Instituto Nacional do Seguro Social à condição de Réu em ação...

Publicações em rede social que provoquem risos não podem ser tidas como criminosas

A postagem na rede social Twitter consistiu no comentário sobre uma notícia, veiculada em telejornal estrangeiro, de furto de...

Incitar o crime por rede social é conduta que agride a paz pública

Por ter feito publicações no Facebook enaltecendo uma facção criminosa e ter atingido um número indeterminado de público, Lucas...