Mestrado no exterior deve ser revalidado no Brasil/Amazonas para se conceder direito a servidor

Mestrado no exterior deve ser revalidado no Brasil/Amazonas para se conceder direito a servidor

O Desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos negou concessão de segurança por concluir a inexistência de direito líquido e certo ao pedido de promoção na carreira à Professora Lydjane Cruz por não ter instruído a ação com a prova da revalidação do diploma de mestre obtido em instituição estrangeira. Ainda que a impetrante tenha concluído o curso de Mestre em Ciência da Educação, em Assunção, se entendeu que seja pertinente o cumprimento da Lei de Planos de Cargos e Salários que dispõe sobre a exigência de que cursos realizados no exterior sejam revalidados por instituição nacional competente.

Nesses casos, é imprescindível que o interessado, ao pretender a promoção vertical instrua o pedido com documento comprobatório do reconhecimento e revalidação nacional, nos moldes legais, de seu Diploma de Mestrado obtido no exterior, de forma que não se verificará a liquidez e certeza do direito vindicado sem o preenchimento desse requisito, firmou a decisão. 

Promoção Vertical é a elevação para a classe superior, de acordo com a titulação apresentada, dentro da mesma referência, mediante ato administrativo específico, conforme a regulamentação prevista no Ato Administrativo que dispõe sobre a carreira do servidor, no caso, de regulamentação da Seduc, independentemente do número de vagas, mas em estrito obediência às exigências normativas.

O julgado dispôs que a ausência regular de comprovação mediante prova pré-constituída do pedido levado em Mandado de Segurança, não se demonstrando direito líquido e certo, importa em denegação da matéria requerida, pois resta faltante pressuposto processual de interesse de agir, na modalidade interesse adequação, pois, sem a revalidação do diploma obtido no exterior, não há a liquidez e certeza autorizadora do direito pleiteado. 

Processo nº 4007352-21.2021.8.04.0000

Leia o julgado:

Mandado de Segurança n.º 4007352-21.2021.8.04.0000 . Impetrante: Lydjane Cruz. Relator: Desembargador JOSÉ HAMILTON SARAIVA DOS SANTOS. ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. PROFESSORA DA REDE PÚBLICA ESTADUAL. PROMOÇÃO VERTICAL. TÍTULO DE MESTRE OBTIDO EM INSTITUIÇÃO ESTRANGEIRA. REVALIDAÇÃO. EXIGÊNCIA LEGAL QUE EMANA DA LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL E DA LEI DE PLANOS DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES DA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO AMAZONAS. AUSÊNCIA DE DIREITO LÍQUIDO E CERTO. NÃO COMPROVAÇÃO DA VALIDAÇÃO DO DIPLOMA NOS MOLDES LEGAIS.  SEGURANÇA DENEGADA.

Leia mais

É possível concessão de benefício previdenciário diverso do pedido, define TJAM

Em embargos de declaração aos quais se concedeu efeitos infringentes contra Acórdão que julgou Recurso de Apelação de Janira do Socorro de Azevedo Paixão...

Estupro de Vulnerável com vítima sobrinha impõe a acusado no Amazonas aumento de pena

Na ocasião em que a vítima, criança  de 07 anos, se deslocou para atender ao pedido de frutas solicitado pelo tio, Ciro Lima, em...

Mais Lidas

Últimas

Desvalorização no preço de carro leiloado em ação penal não gera indenização

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou recurso de um comerciante de 60 anos, residente em Itajaí...

DPU e MPF pedem R$ 50 milhões à União após mortes de Dom e Bruno no Amazonas

Manaus/AM - Após as mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, a Defensoria Pública da União...

TRT-MT nega indenização à trabalhadora que recusou ser reintegrada após gravidez ser descoberta

A Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (MT) negou o pedido da ex-empregada de um supermercado...

Empregado de Porto Alegre que falou mal da empresa em grupo de WhatsApp é despedido por justa causa

As mensagens foram enviadas pelo auxiliar administrativo para um grupo composto por pessoas estranhas à instituição de ensino onde...