Erro justificado do devedor em pagar ao credor imaginário quita dívida e acusa falhas do Banco

Erro justificado do devedor em pagar ao credor imaginário quita dívida e acusa falhas do Banco

A Desembargadora Maria do Perpétuo Socorro Guedes Moura, do TJAM, firmou pela manutenção de sentença que no exame do conto do boleto fraudado do qual foi vítima o autor, reconheceu a responsabilidade do Banco pelo vazamento de dados pessoais sensíveis da vítima, alvo de reiterados assédios de criminosos, por meio de ligações telefônicas, que o compeliram a acreditar que com o  pagamento do boleto gerado, estaria quitando dívida em atraso com o Banco, com favoráveis descontos.

Na ação de obrigação de fazer contra o Banco Pan, o autor narrou que a instituição financeira efetuou diversas tratativas para regularização do contrato, mas que, na verdade, foi vítima de estelionato, face a fraude bancária diante da emissão de boleto para quitação do contrato das parcelas de financiamento em atraso. O autor juntou os documentos pertinentes. 

Para o Juiz da 12ª Vara Cível, a fraude perpetrada contra a parte autora se deu de uma maneira bastante elaborada, com um alto nível de credibilidade, principalmente em relação à emissão do boleto bancário, no qual houve informações referentes ao contrato de financiamento, com edição de todos os dados pessoais do cliente.

Assim, o banco pecou pela falta de vigilância, face ao notório vazamento de dados do autor. O Juiz declarou o contrato da vítima quitado, além de determinar ao Banco a compensação pelos danos em R$ 2 mil. O fato, por si, foi lesivo à dignidade do autor, firmou o magistrado Márcio Rothier. O Banco recorreu. A sentença foi mantida. 

Ao confirmar a sentença, a 2ª Câmara Cível, com voto da Desembargadora Relatora, fixou-se existir  falhas do Banco no dever de sigilo e guarda dos dados sensíveis do consumidor, o que permitiu o vazamento de informações para que terceiro fraudador, com uso de nome, endereço e número do contrato de financiamento firmado com o banco,efetuasse a fraude.

“O cliente do Banco demonstrou que sofreu diversas cobranças pelo débito objeto do boleto, chegando a receber mais de 15 (quinze) ligações no mesmo dia cobrando-o o pagamento  além de ter tido seu nome negativado. Danos morais configurados”, dispôs o Acórdão.

Processo: 614656-87.2021.8.04.0001

Apelação Cível / Defeito, nulidade ou anulaçãoRelator(a): Maria do Perpétuo Socorro Guedes MouraComarca: ManausÓrgão julgador: Segunda Câmara CívelData do julgamento: 01/06/2004Data de publicação: 19/02/2024Ementa: APELAÇÃO CÍVEL. CONTRATO DE FINANCIAMENTO. GOLPE DO BOLETO. VAZAMENTO DE DADOS QUE DEU CAUSA AO SUCESSO DA FRAUDE. RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA DA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA. ACERTADA QUITAÇÃO DA DÍVIDA. DANOS MORAIS CONFIGURADOS PELA COBRANÇA OPERADA PELO BANCO. RECURSO CONHECIDO E DESPROVIDO

Leia mais

TJ-AM manda que Turma reexamine decisão que condenou a Claro em danos morais por scoring

O Tribunal de Justiça do Amazonas aceitou Reclamação da Claro S.A contra a 2ª Turma Recursal, e determinou que seja reexaminada uma decisão que...

Supremo invalida lei que garantia porte de armas para vigilantes e seguranças

Por unanimidade, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) invalidou norma do Estado do Espírito Santo que autorizava o porte de arma de fogo...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Bemol é condenada por venda de mercadoria com vícios ocultos em Manaus

O Juiz George Hamilton Lins Barroso, da 22ª Vara...

Destaques

Últimas

Santander é condenado por negligenciar saúde mental dos empregados

O Banco Santander S.A foi condenado pela Justiça do Trabalho ao pagamento de indenização por danos morais coletivos no...

Imóvel com uso comercial também pode ser bem de família

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho afastou a penhora de imóvel do dono do Colégio Teorema, de...

Regulação da IA precisa proteger direitos fundamentais, diz Barroso

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luís Roberto Barroso, defendeu, nesta sexta-feira (12), a regulamentação da Inteligência...

Chapecoense deve indenizar família de chefe de segurança morto em acidente aéreo

A Associação Chapecoense de Futebol (Chapecoense), de Santa Catarina, foi condenada pela Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho,...