Agressor de mulher tem conduta vedada para exercer a função de Vigilante Profissional, diz STJ

Agressor de mulher tem conduta vedada para exercer a função de Vigilante Profissional, diz STJ

Juvenal Francisco dos Santos foi condenado pela prática de lesão corporal no âmbito da violência doméstica, motivo pelo qual a Polícia Federal não permitiu o registro do Certificado de Curso de Vigilância realizado por ele, consistente a denegação na existência de ação penal contra o requerente, ante condenação com trânsito em julgado. O fundamento da não homologação fora a de que o vigilante se ressentia do requisito idoneidade, exigido para quem pretende se habilitar à função. Foi Relator no STJ, em recurso especial,  o Ministro Sérgio Kukina. 

Inconformado, Juvenal Francisco procurou a Defensoria Púbica da União, que, nos interesses do assistido, pediu à Justiça Federal que concedesse, em medida cautelar, o direito pretendido, com o registro necessário e a requisitada homologação do curso por parte do órgão atacado. O pedido foi negado. A DPU recorreu ao Tribunal Regional Federal. 

Em segunda instância o Tribunal Federal decidiu que embora se reconheça a legitimidade da exigência de idoneidade moral para o exercício profissional de vigilante, não se afigura razoável negar ao autor o direito de exercer a referida profissão em razão da prática de crime de lesão corporal leve. ademais, o Recorrente fora beneficiado pela suspensão condicional do processo. 

A União recorreu e fundamentou que para a concessão do porte de arma para vigilante se exige a idoneidade, que é demonstrada com a apresentação de certidões de antecedentes criminais, não podendo o requerente possuir quaisquer antecedentes ou estar respondendo a inquérito policial ou processo criminal, requisitos que o impetrante não fez demonstrar.

No Superior Tribunal de Justiça os Ministros lavraram entendimento, em acolhida ao recurso da União, que a falta de idoneidade do indivíduo condenado por violência doméstica autoriza que ele seja impedido de se inscrever, inclusive, em curso de reciclagem para vigilantes profissionais. 

No caso, o Tribunal da Cidadania entendeu como correta que a matrícula em curso de vigilante, por quem comete crime de violência doméstica, seja negado pelo Departamento de Polícia Federal, mormente em razão da condenação criminal, no caso, sofrida pelo Impetrante, pois o comportamento é incompatível com as funções de vigilante. 

 

 

Leia mais

Aluno não pode ser prejudicado por alteração de grade curricular, diz TJ/Amazonas

Julgado da Corte de Justiça firmou que embora a Universidade do Estado do Amazonas tenha autonomia didático científica, aí se incluindo a prerrogativa de...

Zona Franca não é incompatível com a política de redução da carga tributária, diz ABIR a Moraes

O Ministro Alexandre de Moraes recebeu pedido da ABIR-Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e Bebidas Não Alcóolicas para ingresso na ADI-7153, na qual...

Mais Lidas

Últimas

Aluno não pode ser prejudicado por alteração de grade curricular, diz TJ/Amazonas

Julgado da Corte de Justiça firmou que embora a Universidade do Estado do Amazonas tenha autonomia didático científica, aí...

Ulbra é denunciada por cobrar taxa de R$ 200 por colação de grau em Manaus

Manaus/AM - Alunos do Centro Universitário Luterano do Brasil (Ceulm/Ulbra), procuraram o Instituto de Defesa do Consumidor (Procon-AM), para...

Condenado a 26 anos pela morte da ex no Amazonas, homem vai pagar indenização a filhos da vítima

Além da condenação a 26 anos e três meses de prisão pelo crime de feminicídio, Mizael Augusto Rodrigues de...

Radialistas do RS receberão adicional por acúmulo de funções no mesmo setor

A Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve a condenação da Empresa Portoalegrense de Comunicação Ltda. (Rede Pampa)...