Consumidor cobrado mais de uma vez pela mesma dívida deve ser indenizado no Amazonas

Consumidor cobrado mais de uma vez pela mesma dívida deve ser indenizado no Amazonas

O consumidor além de pagar regularmente as suas dívidas com pontualidade, ao se ver novamente cobrado, inclusive com desconto dúplice, com a incidência, mais uma vez, da mesma dívida, numa ocasião na folha de pagamento e noutra em conta corrente, é fato que não se constitui em um mero dissabor, mas sim numa situação vexatória, com jurisprudência firme da Corte de Justiça do Amazonas, onde se registra o relato pró consumidor em voto condutor de João de Jesus Abdala Simões. A contenda foi entre José Santos e o Banco Bradesco. 

Nessas circunstâncias o autor ajuizou ação contra a instituição financeira, com a acolhida da pretensão no juízo cível, em Manaus, que determinou a devolução dos valores cobrados indevidamente e em dobro, com juros ao mês e correção monetária, ambos a contar da citação. Danos  morais indenizáveis foram fixados. 

Especificamente, o que ocorreu foi que além dos descontos em folha de pagamento, a instituição financeira também descontou os mesmos valores diretamente na conta corrente do consumidor, configurando-se o pagamento em duplicidade. O Bradesco se limitou a alegar a regularidade das cobranças, sem se estender na matéria de mérito e sem adentrar em justificativas que amortecessem o grau de censura ao erro cometido contra o cliente. 

“Subtrair a verba de natureza alimentar em percentual superior ao acordado é, por demais, vexatório e imprime sentimento de humilhação ao cliente consumidor que se vê impotente diante da ação arbitrária movida pelo banco. Ora, não é o caso de mero aborrecimento, trata-se de notório dano à personalidade que deve ser indenizado”, editou João Simões em voto deliberativo de julgado. 

Processo nº 0617040-62.2017.8.04.0001

Leia o acórdão:

APELAÇÃO CÍVEL Nº 0617040-62.2017.8.04.0001. Apelante: Banco Bradesco S/A. EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL. JULGAMENTO. PARCIAL DE MÉRITO. REPETIÇÃO DO INDÉBITOEM DOBRO. MATÉRIA AFETADA PELO SUPERIOR. TRIBUNAL DE JUSTIÇA (STJ). TEMA 954. PEDIDO SUSPENSO. INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. COBRANÇA EM DUPLICIDADE EM FOLHA DE PAGAMENTO E CONTA CORRENTE. DANO À PERSONALIDADE RECONHECIDO. APELO IMPROVIDO.

Leia mais

Proibir policial investigado de ser promovido na carreira viola a presunção de inocência

O Tribunal de Justiça do Amazonas definiu que as regras que dispõem sobre a moralidade administrativa não se confundem nem podem se sobrepor às...

Vítima de estelionato em venda de carro na OLX consegue rever o veículo

Após anunciar a venda do veículo na OLX, o proprietário do carro João Victor logo conseguiu um comprador. O interesse pelo automóvel foi tão...

Mais Lidas

Últimas

Publicações em rede social que provoquem risos não podem ser tidas como criminosas

A postagem na rede social Twitter consistiu no comentário sobre uma notícia, veiculada em telejornal estrangeiro, de furto de...

Incitar o crime por rede social é conduta que agride a paz pública

Por ter feito publicações no Facebbok enaltecendo uma facção criminosa e ter atingido um número indeterminado de público, Lucas...

STJ passa a receber inscrições para sustentação oral nas sessões virtuais de julgamento

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) começou ontem (10), a receber a inscrição de advogados para a realização de...

Pagamento dobrado de férias em atraso ao trabalhador é derrubado no STF

O empregador que era obrigado a pagar em dobro a remuneração de férias, inclusive o terço constitucional, sempre que...