Turma Recursal atende Defensor e concede segurança para pessoa pobre recorrer sem pagar despesas

Turma Recursal atende Defensor e concede segurança para pessoa pobre recorrer sem pagar despesas

Com voto da Juíza Sanã Nogueira Almendros de Oliveira, a 2ª Turma Recursal do Amazonas, considerou adequado o uso de Mandado de Segurança impetrado pelo Defensor Público Maurílio Sérgio Ferreira, da DPE/AM, na defesa dos interesses do assistido, a fim de que se reconhecesse o direito líquido e certo de interpor recurso, sem o desembolso de despesas, contra sentença do 13º Juizado Cível. Com a segurança deferida confirmou-se liminar que determinou, de plano, a suspensão de ato que considerou que o autor desistiu de recorrer porque não atendeu ao despacho que mandava dar prova da hipossuficiência financeira. 

Usuário da Águas de Manaus ingressou com ação no Juizado Especial narrando falhas na prestação de serviços. Demonstrou ter sido alvo de cobranças inexigíveis e pediu danos morais. Sentença do 13º Juizado Cível declarou a inexistência dos débitos, porém, entendeu pela não ocorrência de danos indenizáveis. O autor recorreu. Entretanto, foi solicitado a prova da hipossuficiência financeira. Não atendendo ao despacho, o recurso foi considerado deserto.

Liminarmente, atendendo a pedido da Defensoria Pública do Amazonas, os autos ficaram suspensos, até o julgamento do mérito do writ constitucional. Acórdão publicado no dia 30.01.2024 pois fim ao imbróglio jurídico. 

“Após análise detida, verifico que a condição de hipossuficiência do Impetrante fora satisfatoriamente comprovada nos autos, uma vez que a documentação trazida demonstra a insuficiência de recursos financeiros para arcar com as despesas legais geradas pelo recurso interposto sem comprometer o sustento próprio ou de sua família, razão pela qual houve ofensa ao direito líquido e certo a amparar a pretensão do Impetrante”, dispôs a decisão do Colegiado de Juízes. 

Atendeu-se ao direito de Justiça Gratuita e se determinou que o recurso suba a instância superior. O recurso referente a ação distribuída no ano de 2018 será julgado por uma das Turmas Recursais do Amazonas. 

Processo: 4000394-19.2020.8.04.9000

Leia a ementa:

Mandado de Segurança Cível / Indenização por Dano Material Relator(a): Sanã Nogueira Almendros de OliveiraComarca: Manaus Órgão julgador: 2ª Turma Recursal Data do julgamento: 30/01/2024Data de publicação: 30/01/2024Ementa: MANDADO DE SEGURANÇA. NÃO CONHECIMENTO DE RECURSO INOMINADO. DESERÇÃO. NULIDADE CONFIGURADA. PARTE AUTORA BENEFICIÁRIA DA JUSTIÇA GRATUITA. PREVISÃO LEGAL DOS ARTIGOS 98 e 99, AMBOS DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. PRESENÇA DE DIREITO LÍQUIDO E CERTO. SEGURANÇA CONCEDIDA.

Leia mais

Amazonas Energia deve pagar o consumidor substituto por queda de rede

A empresa de energia elétrica é responsável pelos danos causados a aparelhos domésticos em decorrência de oscilação de energia. Se esses danos são ressarcidos...

Candidato aprovado fora do número de vagas em concurso tem nomeação confirmada

O candidato aprovado fora do número de vagas previstas em edital de concurso, mas que passe a figurar entre as vagas existentes devido a...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Bemol é condenada por venda de mercadoria com vícios ocultos em Manaus

O Juiz George Hamilton Lins Barroso, da 22ª Vara...

Últimas

Amazonas Energia deve pagar o consumidor substituto por queda de rede

A empresa de energia elétrica é responsável pelos danos causados a aparelhos domésticos em decorrência de oscilação de energia....

Candidato aprovado fora do número de vagas em concurso tem nomeação confirmada

O candidato aprovado fora do número de vagas previstas em edital de concurso, mas que passe a figurar entre...

Justiça permite a maior de idade, por deficiência, habilitar-se como dependente de servidor

É possível ao filho maior de 21 anos de idade obter a declaração judicial de dependência do servidor na...

Sem prestar informações ao Promotor de Justiça, condenação de ex-prefeito é mantida por improbidade

Decisão de Colegiado do Tribunal do Amazonas confirma  que o desatendimento intencional pelo Prefeito de informações a serem prestadas...