Revisão Criminal de condenação do TJAM alvo de Recurso Especial deve ser endereçada ao STJ

Revisão Criminal de condenação do TJAM alvo de Recurso Especial deve ser endereçada ao STJ

O Desembargador Délcio Santos, do Tribunal do Amazonas, ao apreciar a ação de revisão criminal proposta por Alcinda Silva negou parcialmente o conhecimento da ação rescisória de condenação porque a competência para as revisões criminais de julgados do STJ é da competência do Tribunal da Cidadania. A firmação jurídica se impôs mesmo à despeito de que a Requerente, servidora da polícia civil, ter sido condenada, nessa condição, pelo crime de corrupção passiva por ter solicitado na razão do cargo vantagem indevida, consistente em liberar custodiado por dinheiro que havia sido preso em flagrante delito, com julgamento de apelação e embargos infringentes negados pelo Tribunal do Amazonas, do qual houve recurso especial para o STJ. 

Em julgamento de apelação contra a condenação de primeira instância, perante a Primeira Câmara Criminal o recurso foi denegado, sobrevindo embargos infringentes e de nulidade, não acolhido pelas Câmaras Criminais. Foi interposto Recurso Especial ao Superior Tribunal de Justiça, onde o recurso foi negado monocraticamente em análise de mérito. Daí que, o raciocínio utilizado foi o de que  compete ao Superior Tribunal de Justiça a revisão criminal dos seus julgados, conforme previsão do artigo 105,I, e da Constituição Federal. 

Dois fundamentos teriam motivado a revisão criminal junto ao TJAM: ¹ ausência de provas para a condenação e ² a insuficiência de defesa. Segundo o Relator, como se constatou que no STJ o ministro relator negou monocraticamente o recurso especial, mantendo a condenação, constatava-se o efeito substitutivo da decisão de lavra do Ministro Relator do STJ, motivo pelo qual caberá àquela Corte de Justiça o julgamento da revisão criminal, face a incompetência do TJAM.

O Recurso Especial teve juízo de admissibilidade positivo tanto pela Presidente do Tribunal do Amazonas quanto pelo Ministro Relator no âmbito do STJ onde, por ocasião de seu julgamento, o Ministro Jorge Moussi apreciou o  mérito monocraticamente, negando provimento, com a conclusão, no TJAM,  de que se operou a eficácia substitutiva ao acórdão confirmatório da sentença condenatória prolatada na Corte do Amazonas, daí a incompetência para conhecer da revisão quanto à ausência de provas para a condenação. 

A ação rescisória penal, no entanto, foi conhecida quanto ao quesito ² insuficiência de defesa, porém, no mérito, foi invocada Súmula 523 do Supremo Tribunal Federal, que  enuncia “no processo penal, a falta da defesa constitui nulidade absoluta, mas a sua deficiência só o anulará se houver prova de prejuízo para o réu”.  O acórdão aborda que mesmo tendo manejado apelação criminal e embargos infringentes contra o acórdão não unânime que manteve o decreto condenatória, a parte jamais se insurgiu contra a alegada nulidade por deficiência de defesa.

Processo nº 4005847-63.2019.8.04.0000

Leia o acórdão:

CÂMARAS REUNIDAS REVISÃO CRIMINAL N.º 4005847-63.2019.8.04.0000. Requerente: Alcinda Silva. EMENTA: REVISÃO CRIMINAL. ART. 621, I, DO CPP. PRIMEIRO FUNDAMENTO.
CONDENAÇÃO POR INSUFICIÊNCIA DE PROVAS. DEPOIMENTO DA VÍTIMA. ACÓRDÃO CONFIRMATÓRIO DA SENTENÇA CONDENATÓRIA. INTERPOSIÇÃO DE RECURSO ESPECIAL. JUÍZO DE ADMISSIBILIDADE POSITIVO. JUÍZO DE MÉRITO MONOCRATICAMENTE  APRECIADO PELO MINISTRO RELATOR. EFICÁCIA SUBSTITUTIVA. COMPETÊNCIA DO STJ PARA JULGAMENTO CONFORME ART. 105, I, E, DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA. INCOMPETÊNCIA DO TJ/AM. SEGUNDO FUNDAMENTO. DEFICIÊNCIA DE DEFESA. ENUNCIADO Nº 523, DO STF. AUSÊNCIA DE PREJUÍZO. UTILIZAÇÃO DE TODOS OS RECURSOS DISPONÍVEIS. NÃO IMPUGNAÇÃO DA MATÉRIA NO ÂMBITO DA AÇÃO PENAL ORIGINÁRIA. REVISÃO CRIMINAL PARCIALMENTE CONHECIDA. IMPROCEDÊNCIA. . 1. A presente revisão criminal foi ajuizada com base em dois fundamentos distintos: a ausência de provas para a condenação e a insuficiência de defesa; 2. Analisando os autos é possível
constatar o manejo de recurso especial com base na tese da insuficiência de provas para a formação da culpa, o qual foi devidamente admitido contra o acórdão confirmatório da decisão condenatória prolatado por este e. TJ/AM; 3. No STJ houve apreciação acerca do mérito das razões apresentadas no recurso especial de modo monocrático pelo Ministro relator, que negou provimento ao recurso e manteve a condenação; 4. Constatado o efeito substitutivo da decisão de lavra do Ministro relator no âmbito do STJ, caberá àquela Corte o julgamento da revisão criminal, por expressa determinação constitucional constante do art. 105, I, e; 5. Incompetência absoluta deste e. TJ/AM para julgar a presente revisão criminal neste particular; 6. Em relação à alegação de deficiência no exercício da defesa, amoldando-se à hipótese do enunciado nº 523, do STF, verifica-se que, por ocasião das alegações finais, a autora tentou colocar em dúvida o depoimento utilizado para condená-la, inclusive confrontando-o com a versão apresentada pelo Delegado plantonista responsável è época dos fatos. Contudo, debruçando-se sobre a questão, o Juízo da 8ª Vara Criminal decidiu pela autoria e materialidade da conduta, na forma do art. 317, do
Código Penal; 7. Posteriormente, mesmo tendo manejado apelação criminal e embargos infringentes contra o acórdão não unânime que manteve o decreto condenatório, a parte jamais se insurgiu contra a alegada nulidade por deficiência de defesa. 8. Revisão criminal parcialmente conhecida e na parte conhecida
improcedente.

 

 

 

Leia mais

É possível concessão de benefício previdenciário diverso do pedido, define TJAM

Em embargos de declaração aos quais se concedeu efeitos infringentes contra Acórdão que julgou Recurso de Apelação de Janira do Socorro de Azevedo Paixão...

Estupro de Vulnerável com vítima sobrinha impõe a acusado no Amazonas aumento de pena

Na ocasião em que a vítima, criança  de 07 anos, se deslocou para atender ao pedido de frutas solicitado pelo tio, Ciro Lima, em...

Mais Lidas

Últimas

Desvalorização no preço de carro leiloado em ação penal não gera indenização

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou recurso de um comerciante de 60 anos, residente em Itajaí...

DPU e MPF pedem R$ 50 milhões à União após mortes de Dom e Bruno no Amazonas

Manaus/AM - Após as mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, a Defensoria Pública da União...

TRT-MT nega indenização à trabalhadora que recusou ser reintegrada após gravidez ser descoberta

A Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (MT) negou o pedido da ex-empregada de um supermercado...

Empregado de Porto Alegre que falou mal da empresa em grupo de WhatsApp é despedido por justa causa

As mensagens foram enviadas pelo auxiliar administrativo para um grupo composto por pessoas estranhas à instituição de ensino onde...