Incêndio é crime cujo fogo penal é apagado se não houver prova sequer da fumaça

Incêndio é crime cujo fogo penal é apagado se não houver prova sequer da fumaça

Crimes que deixam vestígios somente podem ser demonstrados por prova testemunhal, com a dispensa do exame respectivo, em situações excepcionais, quando restar a impossibilidade da realização do laudo correspondente, firmou o Desembargador Jomar Ricardo Saunders Fernandes, em voto que conduziu julgamento que absolveu a recorrente, acusada da prática de incêndio. Sarah Mendes havia sido condenada a 04 anos de reclusão por ter causado incêndio na residência, no bairro Tucumã, expondo a perigo a vida de sua convivente, do filho e da sobrinha, de 02 e 10 anos, respectivamente. O julgado firmou não haver a prova da materialidade do fato. 

Inicialmente a acusada foi alvo de ação penal, promovida pelo Ministério Público, culminando com a procedência da acusação ante o juízo de Novo Aripuanã, com a aplicação da pena privativa de liberdade. A ré interpôs recurso de apelação, julgado pelo Tribunal do Amazonas. 

O Ministério Público havia firmado ser improcedente o recurso, pois a casa atingida pelo incêndio havia ficado totalmente destruída, além do perigo que restou à incolumidade pública e às residências vizinhas, expondo-se a risco direito, iminente e concreto a vida e integridade física das pessoas que estavam dentro da casa e das proximidades.

No julgado, em exame do crime descrito no artigo 250 do Código Penal “causar incêndio, expondo a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio de outrem”, firmou-se tratar de crime que deixa vestígios materiais e, em razão disso, ainda que a sua ocorrência seja demonstrada pelos relatos testemunhais ou fotografias acostadas aos autos, revela-se imprescindível a realização da perícia técnica para configurar a materialidade delitiva, conforme previsto no código de processo penal (Arts. 158 e 173). A ré foi absolvida por não haver prova da existência do fato. 

Processo nº 0000257-37.2018.8.04.6200

Leia o acórdão:

APELAÇÃO CRIMINAL Nº 0000257-37.2018.8.04.6200. Apelante: Sarah Mendes. Relator: Desembargador Jomar Ricardo Saunders Fernandes. EMENTA: APELAÇÃO. PENAL E PROCESSO PENAL. CRIME DE INCÊNDIO. PLEITO ABSOLUTÓRIO. PROCEDÊNCIA. AUSÊNCIA DE COMPROVAÇÃO DA MATERIALIDADE DELITIVA. INTELIGÊNCIA DOS ARTS. 158 E 173 DO CPP. FALTA DE JUSTIFICATIVA IDÔNEA PARA A AUSÊNCIA DE PERÍCIA.
RECURSO PROVIDO. 1. O crime de incêndio deixa vestígios materiais e, em razão disso,
ainda que a sua ocorrência seja demonstrada pelos relatos testemunhais ou fotografias acostados aos autos, revela-se imprescindível a realização de perícia técnica para configurar a materialidade delituosa, nos termos dos arts. 158 e 173 do Código de
Processo Penal. 2. Sob esse aspecto, o posicionamento assente do Superior Tribunal
de Justiça é no sentido de que o exame pericial somente pode ser suprido pela prova testemunhal em situação excepcional, quando restar comprovada a impossibilidade de sua realização, o que não restou evidenciado no caso dos autos. 3. Diante disso, a absolvição da recorrente é medida que se impõe, na forma do art. 386, II do Código de Processo penal. 4. Apelo provido

 

Leia mais

Vítima de estelionato em venda de carro na OLX consegue rever o veículo

Após anunciar a venda do veículo na OLX, o proprietário do carro João Victor logo conseguiu um comprador. O interesse pelo automóvel foi tão...

Incitação ao crime associado a outras condutas contra a paz pública autorizam prisão

A incitação ao crime, na forma como descrita no Código Penal se evidencia pela publicidade que o agente dá à prática do ato, e,...

Mais Lidas

Últimas

Auxiliar administrativo consegue reconhecimento de direito à estabilidade pré-aposentadoria

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu o direito à estabilidade de um auxiliar administrativo demitido sem...

TCU condena Deltan Dallagnol e Rodrigo Janot por gastos com diárias

O Tribunal de Contas da União condenou, na última terça-feira, procuradores da extinta Lava Jato a devolver aos cofres...

Vítima de estelionato em venda de carro na OLX consegue rever o veículo

Após anunciar a venda do veículo na OLX, o proprietário do carro João Victor logo conseguiu um comprador. O...

Incitação ao crime associado a outras condutas contra a paz pública autorizam prisão

A incitação ao crime, na forma como descrita no Código Penal se evidencia pela publicidade que o agente dá...