Cármen Lúcia pede explicações sobre aumento de custas processuais no TJAM

Cármen Lúcia pede explicações sobre aumento de custas processuais no TJAM

A ministra Cármen Lúcia pediu explicações urgentes sobre o aumento das custas processuais no Amazonas, após a OAB contestar a Lei Estadual n.º 6.646/2023. A ADI 7658 argumenta que a lei impõe barreiras ao acesso à justiça e viola princípios constitucionais. A ministra encaminhou o caso ao STF para deliberação.

No despacho, a ministra determina que informações sobre o imbróglio jurídico sejam encaminhados ao STF pela Presidente do TJAM, além do Presidente da Assembleia Legislativa e o Governador do Amazonas, Wilson Lima. 

O Conselho Federal da OAB (CFOAB) protocolou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no Supremo Tribunal Federal (STF), contestando dispositivos da Lei Estadual n.º 6.646/2023 do Amazonas, que regulamenta as custas judiciais no estado. A petição inicial argumenta que diversos artigos da legislação violam princípios constitucionais e impõem barreiras ao acesso à justiça.

A ADI 7658 é assinada pelo presidente nacional da OAB, Beto Simonetti, pelo presidente da seccional amazonense, Jean Cleuter, e pelos conselheiros federais Jonny Cleuter, Maria Gláucia Soares, Marco Aurélio Choy, Ricardo da Cunha Costa, Ezelaide Almeida e Gina Carla Sarkis Romeiro. Na avaliação de Simonetti, a legislação atual fere as prerrogativas da advocacia no amplo exercício profissional dentro do cenário amazonense.

“Esse é um ato que impede o acesso à justiça da cidadania amazonense e impede também a ampla possibilidade de que os advogados e advogadas amazonenses possam representar a cidadania do nosso estado perante os tribunais de justiça.”

A OAB solicita a suspensão imediata de dispositivos que, segundo a entidade, violam princípios constitucionais e dificultam o acesso à justiça. A petição pede a notificação das autoridades estaduais, a concessão de medida cautelar, e a declaração de inconstitucionalidade dos artigos impugnados, argumentando que os aumentos das custas são desproporcionais e ilegais, e que a lei entrou em vigor sem respeitar o prazo de 90 dias exigido pela Constituição.

Segundo o CFOAB, a nova legislação promove um aumento desproporcional e irrazoável das custas processuais, contrariando garantias constitucionais como o direito ao acesso à justiça, ao devido processo legal e à razoabilidade na cobrança de tributos. A ADI contesta especificamente “incisos II e III do art. 2º, § 3º do art. 12, parágrafo único do art. 24, art. 26, § 2º e § 5º do art. 27, § 2º do art. 28, art. 44, e tabelas I, II, III e V, todos da Lei do Estado do Amazonas nº. 6.646, de 15 de dezembro de 2023, sobre o Regulamento de custas judiciais no âmbito do Poder Judiciário”

A petição inicial alega que os dispositivos impugnados “acarretaram em indevida violação às normas contidas no art. 5º, XXXV, LIV e LV, art. 22, I e art. 150, todos da CRFB”. A Ordem argumenta que os valores estabelecidos para custas, preparo e taxa judiciária não são adequados para garantir a função dúplice das custas judiciais e que a metodologia adotada é excessivamente gravosa, prejudicando o acesso à justiça.

Além disso, o CFOAB aponta a ausência de um interstício legal adequado para a vigência da nova lei, infringindo o princípio da anterioridade nonagesimal previsto no art. 150 da Constituição Federal. A petição afirma que “a lei amazonense 6.646 foi aprovada em 12 de dezembro de 2023 e publicada em 15 de dezembro do mesmo ano. Sua vigência, nos termos do artigo 44, teve início duas semanas após sua publicação, afrontando diretamente o princípio da anterioridade nonagesimal”.

Por fim, a Ordem ressalta que a nova legislação impõe valores exorbitantes, configurando-se como barreiras econômicas ao acesso à justiça. Em comparação com a portaria anterior, a nova tabela de custas representa aumentos de até 1960,19% para causas de menor valor, segundo a tabela apresentada na petição.

“Não podemos deixar passar uma lei que desestimule o acesso à justiça, pois o acesso à justiça é condicional. Tanto nossa OAB-AM, quanto o Conselho Federal está com um trabalho conjunto muito forte para fortalecer toda a advocacia brasileira, em especial neste caso a advocacia amazonense”, ressalta o presidente da OAB-AM, Jean Cleuter Mendonça.

Principais pontos de inconstitucionalidade apontados:

– Acesso à Justiça: a petição argumenta que os incisos II e III do art. 2º, ao estabelecerem incentivos para o uso de meios alternativos de solução de conflitos e desestimular demandas judiciais, violam o art. 5º, XXXV, da Constituição Federal, que garante o direito de acesso à jurisdição.

– Vício formal: a ADI sustenta que o parágrafo único do art. 24, art. 26, § 2º e § 5º do art. 27, e § 2º do art. 28 invadem competência legislativa privativa da União ao dispor sobre direito processual, conforme o art. 22, I, da Constituição Federal.

– Princípio da anterioridade nonagesimal: a lei, ao entrar em vigor em 1º de janeiro de 2024, menos de um mês após sua promulgação em 15 de dezembro de 2023, desrespeita o princípio da anterioridade nonagesimal estabelecido no art. 150, III, “b”, da Constituição, que exige um intervalo de 90 dias para a eficácia de novas normas tributárias.

– Metodologia gravosa de recolhimento: as tabelas de custas judiciais (I, II, III e V) impõem valores exorbitantes, desproporcionais e inadequados, configurando-se como barreiras econômicas ao acesso à justiça. A petição destaca que os valores são incompatíveis com a renda média dos cidadãos do Amazonas e que violam o princípio da proporcionalidade.

A Ministra Cármen Lúcia, Relatora da ação, adotou o rito do art. 10 da Lei n. 9.868/1999 e  determinou, com urgência e prioridade, que informações sejam prestadas pelas autoridades locais envolvidas. A Ministra antecipou que irá levar a questão ao Órgão Colegiado, para deliberação dos pedidos. 

Com informações OAB

ADi 7658

Leia mais

2ª Turma Recursal mantém indenização de R$ 10 mil por cancelamento de voo

A Segunda Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) confirmou condenação da LATAM Airlines por cancelamento de voo sem justificativa plausível. O...

Servidora com deficiência visual consegue direito de relotação para unidade próxima de sua casa

Servidora pública com deficiência visual que havia sido relotada em local de trabalho distante de sua residência teve sentença favorável para voltar a trabalhar...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Bemol é condenada por venda de mercadoria com vícios ocultos em Manaus

O Juiz George Hamilton Lins Barroso, da 22ª Vara...

Destaques

Últimas

STF invalida restrição de vagas a mulheres em concursos para PM e Bombeiros do Piauí e de Goiás

O percentual de 10% de vagas para mulheres em concursos para as Forças de Segurança dos Estados do Piauí...

STF suspende julgamento de ações contra Reforma da Previdência

Pedido de vista do ministro Gilmar Mendes suspendeu, nesta quarta-feira (19), o julgamento de 13 ações que questionam vários...

Senado aprova indicação do ministro Mauro Campbell Marques para o CNJ

O plenário do Senado Federal aprovou, na tarde desta quarta-feira (19), a indicação do ministro do Superior Tribunal de...

Padrasto é condenado a mais de 42 anos por estuprar, matar e ocultar cadáver da enteada

Já passava das 18h desta terça-feira (18), quando a juíza que atua no 2º Tribunal do Júri da Comarca...