Ausente o abuso de tarifas de registro e cadastro bancário, rejeita-se pedido de ilegalidade

Ausente o abuso de tarifas de registro e cadastro bancário, rejeita-se pedido de ilegalidade

Tarifas de registro e cadastro realizadas pelo Banco e lançadas no financiamento com incidência nas parcelas pelo devedor fiduciário, não são ilegais ante a presença de expressa permissão legal.  

Com essa disposição, a Desembargadora Maria das Graças Pessoa Figueiredo, do TJAM, fundamentou recurso de apelação contra sentença que negou ao autor/consumidor pedido de revisão de financiamento sob o fundamento na ilegalidade de cobranças de taxas de registro e cadastro pelo Banco Safra. 

Na ação, o autor pediu a devolução, em dobro, de valores referentes a emolumentos de registro e taxas de cadastro incidentes em cobrança de pagamento de parcelas mensais, fundamentando ter ocorrido abusividade da instituição financeira. Permaneceu o entendimento da sentença do Juízo da 16ª Vara Cível.  É legal a cobrança do registro de contrato, ressalvado as hipóteses de abusividade, o que não socorreu ao caso examinado, pois as taxas de cobrança se encontraram dentro da média do mercado. 

No que tocou à tarifa de cobrança sedimentou-se entendimento de que nos contratos bancários posteriores ao início da vigência da Resolução-CMN n. 3.518/2007, em 30/4/2008, pode ser cobrada a tarifa de cadastro no início do relacionamento entre o consumidor e a instituição financeira. O Acórdão registrou a confirmação da ausência de abusividade e manteve a sentença combatida. 

Processo: 0441175-15.2023.8.04.0001

Leia a ementa:

Apelação Cível / Alienação FiduciáriaRelator(a): Maria das Graças Pessoa FigueiredoComarca: ManausÓrgão julgador: Primeira Câmara CívelData do julgamento: 16/02/2024Data de publicação: 16/02/2024Ementa: RECURSO DE APELAÇÃO. DIREITO DO CONSUMIDOR. AÇÃO REVISIONAL. CONTRATO DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA. COBRANÇA DE TARIFA DE CADASTRO E EMOLUMENTOS DE REGISTRO. POSSIBILIDADE. PREVISÃO EM CONTRATO. INEXISTÊNCIA DE ABUSIVIDADE. RECURSO CONHECIDO E DESPROVIDO.

Leia mais

TJ-AM manda que Turma reexamine decisão que condenou a Claro em danos morais por scoring

O Tribunal de Justiça do Amazonas aceitou Reclamação da Claro S.A contra a 2ª Turma Recursal, e determinou que seja reexaminada uma decisão que...

Supremo invalida lei que garantia porte de armas para vigilantes e seguranças

Por unanimidade, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) invalidou norma do Estado do Espírito Santo que autorizava o porte de arma de fogo...

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Bemol é condenada por venda de mercadoria com vícios ocultos em Manaus

O Juiz George Hamilton Lins Barroso, da 22ª Vara...

Destaques

Últimas

TJ-AM manda que Turma reexamine decisão que condenou a Claro em danos morais por scoring

O Tribunal de Justiça do Amazonas aceitou Reclamação da Claro S.A contra a 2ª Turma Recursal, e determinou que...

STF analisa decisão que suspendeu portaria da AGU sobre Terra Indígena Ibirama-La Klãnõ, em SC

O Supremo Tribunal Federal (STF) vai decidir, na sessão virtual que começa nesta sexta-feira (12), se confirma ou não...

Supremo invalida lei que garantia porte de armas para vigilantes e seguranças

Por unanimidade, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) invalidou norma do Estado do Espírito Santo que autorizava o...

Justiça concede indenização à aluna com deficiência por discussão com professora

A Vara de Nuporanga condenou o Estado de São Paulo a indenizar estudante com deficiência por episódio que ocorreu...