Senado quer ouvir redes de fast food sobre propaganda enganosa de sanduíches

Senado quer ouvir redes de fast food sobre propaganda enganosa de sanduíches

A Comissão de Controle e Defesa do Consumidor (CTFC) do Senado aprovou requerimento do senador Nelsinho Trad (PSD-MS) para a realização de audiência pública com o objetivo de debater os recentes casos de venda de “hambúrguer de picanha” (McDonald’s) e “hambúrguer de costela” (Burger King) que, na realidade, não contêm esses ingredientes.

O REQ 15/2022 foi aprovado simbolicamente e recebeu apoio do presidente da CTFC, senador Reguffe (União-DF), e dos senadores Eduardo Girão (Podemos-CE) e Marcos do Val (Podemos-ES). Reguffe avaliou que se trata de “um total abuso por parte dessas redes de fast food“.

Nelsinho Trad afirmou que os casos de “hambúrguer fake” estão “enganando a população brasileira”. Ele disse que os senadores vão ouvir os denunciantes e as empresas acusadas.

“Anunciar um produto de hambúrguer com picanha e costela e falar que nesses hambúrgueres só tem o cheiro da picanha ou da costela, isso é brincadeira com a população brasileira! Nós não podemos aceitar isso. Tem que ser esclarecido, tem que ser colocado em pratos limpos. Aqueles que induziram a um equívoco dessa natureza precisam ser responsabilizados”, afirmou Nelsinho Trad.

Serão convidados para a audiência pública representantes do Procon, do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar), das empresas Burger King e McDonald’s, do blog Comer com os Olhos e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Veículos de comunicação têm noticiado graves acusações de publicidades enganosas promovidas pelas redes de fast food McDonald ‘s e Burger King. Trata-se da comercialização de sanduíches que levam no nome cortes de carnes nobres, como picanha e costela, mas que não passaria de aroma do molho, segundo consta nas denúncias. O caso foi denunciado ao Procon, que já obrigou a retirada dos sanduíches da comercialização. A forma como foi concluída a campanha publicitária do sanduíche induz ao entendimento de um produto com características diferentes daquele que tem sido entregue. Induzir o consumidor a erro se caracteriza como publicidade enganosa. Precisamos debater esse caso e chamar as empresas denunciadas para que se defendam”, disse o senador requerente.

Eduardo Girão classificou esses episódios como “gravíssimos” e disse que muitas pessoas devem ter sido induzidas ao erro. “Será que em outro país ocorreria isso? A gente precisa respeitar essas empresas, são bem-vindas, geram muitos empregos para o Brasil, impostos. Mas precisa ter um limite”, avaliou. Com informações da Agência Senado.

Fonte: Conjur

Leia mais

Home Care em Manaus é direito em plano de saúde dentro da rede credenciada de Seguradora

Ao aderir a um plano de saúde, o consumidor já tem ciência de quais hospitais e profissionais fazer parte da rede conveniada e, se...

Aluno não pode ser prejudicado por alteração de grade curricular, diz TJ/Amazonas

Julgado da Corte de Justiça firmou que embora a Universidade do Estado do Amazonas tenha autonomia didático científica, aí se incluindo a prerrogativa de...

Mais Lidas

Últimas

Prédio do TJAM treme e é evacuado em Manaus

Manaus/AM - O prédio do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) precisou ser evacuado após tremores na estrutura na...

Home Care em Manaus é direito em plano de saúde dentro da rede credenciada de Seguradora

Ao aderir a um plano de saúde, o consumidor já tem ciência de quais hospitais e profissionais fazer parte...

Atentado contra os pais cometido por menor também é causa de exclusão da herança, decide STJ

Ao rejeitar o recurso especial de um homem que matou os pais quando tinha 17 anos de idade, a...

União e Funai têm até um ano para destinar área de sobrevivência ao grupo indígena Fulkaxó

A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve decisão que estabeleceu o prazo de até um ano...