Esmam abre inscrições de curso sobre Recomendação do CNJ de tratados e convenções internacionais

Esmam abre inscrições de curso sobre Recomendação do CNJ de tratados e convenções internacionais

Começou nesta segunda-feira (02/05) e vai até o dia 12 deste mês de maio, o período de inscrições para o curso “Recomendação CNJ n.º 123/2022 e a Efetivação do Controle de Convencionalidade no Brasil”, que será promovido pela Escola Superior de Magistratura do Amazonas (Esmam). O evento será realizado em parceria com a Escola do Poder Judiciário do Acre (Esjud) e a Escola do Poder Judiciário de Roraima (Ejurr) e tem como público-alvo magistrados e servidores.

As inscrições são necessárias e deverão ser efetuadas no Ambiente Virtual de Aprendizagem da Esmam: http://esmam.tjam.jus.br/login/index.php.

Pedidos de inscrição de magistrados e servidores de outros Estados, deverão ser encaminhadas ao e-mail [email protected]. Esse mesmo canal deve ser utilizado para esclarecer dúvidas, reportar dificuldades de acesso ao AVA, ou outras informações.

Esse é o primeiro curso ofertado pela Esmam em conjunto com outras Escolas a ser credenciado pela Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam). As aulas acontecerão no período de 16 de maio a 20 de junho de 2022, na modalidade EAD (síncrona e assíncrona), com validade para vitaliciamento e promoção.

O diretor da Esmam, desembargador João Simões, destacou a importância do curso, lembrando que o Plenário do CNJ, durante a 61.ª Sessão Extraordinária, no dia 14/12/2021, decidiu recomendar a todos os órgãos do Poder Judiciário que observem os tratados e convenções internacionais de direitos humanos, bem como utilizem a jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos (Corte IDH) – Recomendação CNJ nº 123/2022.

“Além disso, na mesma oportunidade, foi recomendado que haja priorização do julgamento dos processos em tramitação que se referiram à reparação das vítimas de violações de direitos humanos reconhecidas pela Corte Interamericana a partir da responsabilização internacional do Estado brasileiro”, declarou Simões.

A subdiretora da Escola, desembargadora Joana Meirelles, salientou que a referida recomendação aponta ainda para a necessidade de se realizar o controle de convencionalidade das leis internas, sendo exatamente esse o objeto de estudo do curso. Meirelles afirmou, ainda, que “é importante que se diga que a Recomendação reforça as determinações contidas nos ordenamentos jurídicos brasileiro e internacional, na área de direitos humanos”.

O curso será desenvolvido em 20 horas-aula (além do período de ambientação), com cinco aulas síncronas, com 2 horas de duração, previstas para os dias 16, 23 e 30 de maio e, ainda, 06 e 13 de junho (totalizando 10 horas-aula). As outras 10 horas-aula serão desenvolvidas no AVA da Esmam, ficando destinadas 2 horas-aula para cada uma das cinco unidades de estudo. Em cada unidade haverá um prazo máximo de uma semana, de modo que os alunos disponham de bastante tempo para o cumprimentos das atividades propostas.

Para a aprovação e consequente certificação, os magistrados e servidores deverão ter 75% de frequência no curso, aferida pelo registro de presença.

O curso contará com os seguintes professores: Sílvia Maria da Silveira Loureiro, que é doutora em Direito (área de concentração em Teoria do Estado e Direito Constitucional) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Graduada em Direito pela Universidade Federal do Amazonas, possui especialização em Direito Processual pelo Instituto Superior de Administração e Economia da Amazônia/Fundação Getúlio Vargas e mestrado em Direito e Estado pela Universidade de Brasília (2003). Atua como professora tanto na Graduação do Curso de Direito, quanto no Programa de Pós-Graduação em Direito Ambiental, na Escola Superior de Ciências Sociais da Universidade do Estado do Amazonas, nas áreas de Direito Constitucional e Direito Internacional. Desenvolve atividades de pesquisa e extensão na Clínica de Direitos Humanos e Direito Ambiental da ESO/UEA. Pesquisa sobre temas de Direito Internacional dos Direitos Humanos e Direito Constitucional.

Jamilly Izabela de Brito Silva, que é mestre em Direito pelo Programa de Pós-Graduação em Direito Ambiental da Universidade do Estado do Amazonas. É agente técnico-jurídico do Ministério Público do Estado do Amazonas, colabora com os trabalhos da Clínica de Direitos Humanos e Direito Ambiental da Universidade do Estado do Amazonas; pesquisadora do Grupo de Pesquisa CNPq de “Direitos Humanos na Amazônia” e atua como professora e coordenadora da linha de pesquisa de povos indígenas no Grupo de Estudos sobre Minorias e Vulneráveis. É graduada em Direito pela Universidade do Estado do Amazonas, com habilitação em Direito Internacional. Possui pós-graduação lato sensu em Direito Civil e Direito Processual Civil (2012) e pós-graduação lato sensu em Direito Público (2014), ambas pelo Centro Universitário de Ensino Superior do Amazonas, e pós-graduação lato sensu em Direitos Humanos pela Faculdade de Ciências e Tecnologias de Campos Gerais, em pareceria com o Círculo de Estudos pela Internet (Facica-Cei).

Marcello Phillipe Aguiar Martins, que é bacharel em Direito pelo Centro Universitário do Norte, com experiência nas áreas de Direito Constitucional, Administrativo e Ambiental, e mestre em Direito Ambiental pela Universidade do Estado do Amazonas. Foi coordenador de Processamento do Tribunal Regional Eleitoral/AM no período 2018-2020 e, atualmente, é secretário-geral e executivo da Escola da Magistratura do Amazonas. É palestrante na área de Direito Eleitoral e membro da Clínica de Direitos Humanos e Direito Ambiental da CDHDA-UEA.

Fonte: Asscom TJAM

Leia mais

Aluno não pode ser prejudicado por alteração de grade curricular, diz TJ/Amazonas

Julgado da Corte de Justiça firmou que embora a Universidade do Estado do Amazonas tenha autonomia didático científica, aí se incluindo a prerrogativa de...

Zona Franca não é incompatível com a política de redução da carga tributária, diz ABIR a Moraes

O Ministro Alexandre de Moraes recebeu pedido da ABIR-Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e Bebidas Não Alcóolicas para ingresso na ADI-7153, na qual...

Mais Lidas

Últimas

Aluno não pode ser prejudicado por alteração de grade curricular, diz TJ/Amazonas

Julgado da Corte de Justiça firmou que embora a Universidade do Estado do Amazonas tenha autonomia didático científica, aí...

Ulbra é denunciada por cobrar taxa de R$ 200 por colação de grau em Manaus

Manaus/AM - Alunos do Centro Universitário Luterano do Brasil (Ceulm/Ulbra), procuraram o Instituto de Defesa do Consumidor (Procon-AM), para...

Condenado a 26 anos pela morte da ex no Amazonas, homem vai pagar indenização a filhos da vítima

Além da condenação a 26 anos e três meses de prisão pelo crime de feminicídio, Mizael Augusto Rodrigues de...

Radialistas do RS receberão adicional por acúmulo de funções no mesmo setor

A Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve a condenação da Empresa Portoalegrense de Comunicação Ltda. (Rede Pampa)...