Casal é condenado por esquartejar e ocultar corpo de amigo no Distrito Federal

Casal é condenado por esquartejar e ocultar corpo de amigo no Distrito Federal

O Tribunal do Júri de Samambaia, no Distrito Federal condenou o casal Rômulo Ricardo Rodrigues de Andrade e Gabrielle Rodrigues Santos, respectivamente, a 25 e 22 anos de prisão, pelo assassinato de Kinssiger Lopes Cabral, em maio deste ano. Os réus irão cumprir as penas em regime inicial fechado e não poderão recorrer da sentença em liberdade.

De acordo com os autos, após um desentendimento, na residência em que os três moravam, o casal executou a vítima com um facão, a esquartejou, queimou partes do cadáver do amigo e jogou o corpo em um poço, localizado no Parque Gatumé, em Samambaia. Os acusado ainda limparam a cena do crime. Apagaram vestígios de sangue da vítima que estava no imóvel e queimaram o sofá da residência, com o intuito de impedir ou dificultar a apuração dos fatos.

Segundo a denúncia do Ministério Público do DF, o crime foi praticado por motivo fútil, em razão de desentendimento banal entre a vítima e os réus; com utilização de meio cruel, já que a vítima foi golpeada por múltiplos golpes de facão, o que lhe causou intenso e desnecessário sofrimento; e mediante recurso que dificultou a defesa do ofendido, porque os réus, em superioridade numérica, de surpresa, esfaquearam a vítima no interior da residência, em circunstâncias tais que ela não poderia se defender do repentino ataque.

Rômulo foi condenado pelos crimes de homicídio qualificado, ocultação de cadáver e fraude processual. Gabrielle por fraude processual e ocultação de cadáver (artigo 121, § 2º, incisos II, III e IV, no artigo 211 e no artigo 347, parágrafo único, todos do Código Penal).

Processo: 0708150- 95.2021.8.07.0009

Fonte: Asscom TJDFT

Leia mais

Turma Recursal anula sentença e garante produção de provas em caso de acidente de trânsito

O juiz possui o poder discricionário de determinar quais provas são relevantes para o caso, baseando-se no conjunto de evidências presentes nos autos. A...

Indenização por danos a aparelhos elétricos não depende de prova da propriedade dos bens

O consumidor dos serviços da concessionária de energia elétrica tem o direito de ser ressarcido pelos danos causados aos equipamentos instalados na unidade consumidora....

Mais Lidas

Justiça do Amazonas garante o direito de mulher permanecer com o nome de casada após divórcio

O desembargador Flávio Humberto Pascarelli, da 3ª Câmara Cível...

Bemol é condenada por venda de mercadoria com vícios ocultos em Manaus

O Juiz George Hamilton Lins Barroso, da 22ª Vara...

Destaques

Últimas

Uso indevido de imagem em campanha publicitária gera dano moral

A Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba decidiu que o uso indevido de imagem em campanha...

STF prorroga até setembro prazo de suspensão da desoneração da folha

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), prorrogou até 11 de setembro a suspensão do processo que...

Pedido de danos morais por cobrança de seguro indevido exige prova das ofensas

Cabe ao fornecedor garantir a eficiência e segurança do serviço prestado, evitando fraudes e inconsistências que prejudiquem o consumidor....

Alegação de fraude em débito sem consistência jurídica é julgada improcedente pela Justiça

Não é razoável acreditar que um suposto fraudador parcele a dívida e realize o pagamento de débitos anteriores da...