Justiça Federal determina à Funai que não ponha em descrédito as buscas de Bruno e Dom Philips

Justiça Federal determina à Funai que não ponha em descrédito as buscas de Bruno e Dom Philips

A Juíza Federal Jaiza Fraxe, da Seção Judiciária do Amazonas, em Ação Civil Pública de autoria da Procuradoria da República contra a Funai, atendeu a um pedido da litisconsorte – a Defensoria Pública da União (DPU), e determinou que a Fundação Nacional do Índio (FUNAI), não adote atos tendentes a desacreditar a trajetória do indigenista Bruno da Cunha Araújo Pereira e do Jornalista Dom Philips, durante o processo de localização e buscas dos desaparecidos.

O pedido da Defensoria se embasou em Nota da Funai no qual o órgão defensor firma que a Fundação Nacional do Índio emitiu nota “com efetiva violação de direitos humanos”, agredindo princípios de natureza constitucional, especialmente o da dignidade da pessoa humana que tem valor fundamental. A “Nota” emitida pela Fundação consistiu em firmar que irá acionar o Ministério Público Federal para que seja apurada a responsabilidade da Univaja quanto a possível aproximação com indígenas de recente contato sem o conhecimento da Instituição e, aparentemente, sem adoção das medidas sanitárias cabíveis”.

A decisão firma que não se pode desacreditar a instituição que está trabalhando de forma legítima pelos direitos de seu próprio povo indígena que é a UNIVAJA. “Há um quadro de abandono e omissão que está vitimando povos indígenas, firma a decisão da juíza, seguido do desaparecimento de duas pessoas que estavam legalmente na região, à convite de quem possui legitimidade pela lei, pela Constituição e pelos Tratados Internacionais dos quais o Brasil é signatário”, concluiu.

Segundo a Defensoria, o intuito da Univaja com a permissão do ingresso na terra era justamente a capacitação dos indígenas e a execução dessas práticas no campo junto com o conhecimento indígena para a proteção do território e a autonomia dos Povos do Vale do Javari. 

Na sua determinação, a Juíza Federal obriga à Funai, dentre outras medidas, que não realize quaisquer atos que tendam a desacreditar a trajetória dos desaparecidos. Na direção da medida, a Funai fica obrigada a retirar imediatamente dos veículos oficiais de mídia da Instituição a Nota que se firmou incompatível em suas afirmações com a realidade dos fatos e com o direito dos povos indígenas.

Doutro lado, fica a Funai, quanto aos desaparecidos, obrigada a se abster da prática de qualquer ato que possa ser considerado atentatório à dignidade dos desaparecidos ou que implique em injusta perseguição à União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja). Forças de segurança pública deverão ser providenciadas pela Fundação Nacional do Índio para garantir a integridade física dos seus servidores e dos Povos Indígenas do Vale do Javari. 

Para a Defensoria Pública da União, a “Nota” da Funai teria dado a interpretação de que Bruno e Dom Philips seriam responsáveis por potenciais contágios de Covid-19 e supostos danos à saúde indígena, resumindo o trabalho investigativo e capacitor de ambos no local à pura aventura desautorizada, sendo, pois, a petição acolhida com seus fundamentos e com as determinações retro expendidas. 

Leia a decisão

Leia mais

É possível concessão de benefício previdenciário diverso do pedido, define TJAM

Em embargos de declaração aos quais se concedeu efeitos infringentes contra Acórdão que julgou Recurso de Apelação de Janira do Socorro de Azevedo Paixão...

Estupro de Vulnerável com vítima sobrinha impõe a acusado no Amazonas aumento de pena

Na ocasião em que a vítima, criança  de 07 anos, se deslocou para atender ao pedido de frutas solicitado pelo tio, Ciro Lima, em...

Mais Lidas

Últimas

Desvalorização no preço de carro leiloado em ação penal não gera indenização

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou recurso de um comerciante de 60 anos, residente em Itajaí...

DPU e MPF pedem R$ 50 milhões à União após mortes de Dom e Bruno no Amazonas

Manaus/AM - Após as mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, a Defensoria Pública da União...

TRT-MT nega indenização à trabalhadora que recusou ser reintegrada após gravidez ser descoberta

A Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (MT) negou o pedido da ex-empregada de um supermercado...

Empregado de Porto Alegre que falou mal da empresa em grupo de WhatsApp é despedido por justa causa

As mensagens foram enviadas pelo auxiliar administrativo para um grupo composto por pessoas estranhas à instituição de ensino onde...