Golpe de anúncio de celular no Instagram comprado via pix e não entregue, rende condenação

Golpe de anúncio de celular no Instagram comprado via pix e não entregue, rende condenação

O golpe consistiu em divulgar a venda de aparelhos celulares por meio de um perfil na rede social Instagram, com preços atrativos, e, após as tratativas acerca das condições de pagamento e a confirmação do pedido realizado por meio de uma chave pix, não foi mais possível qualquer contato com os responsáveis pela venda, além de que o produto não foi entregue. Assim se perfez o estelionato praticado por meio eletrônico, conduta descrita no artigo 171,§ 2º do Código Penal, perfectibizando a fraude eletrônica. Condenação mantida a Lucas Moraes pela Relator José Hamilton Saraiva dos Santos.

A conversa de acerto do “negócio” foi realizada por meio do aplicativo WhatsApp, com a juntada dos ‘prints’ de conversas que foram trocadas, além do comprovante de R$ 1.000,00, que restaram transferidos por meio de chave pix fornecido pelo “vendedor’, além das declarações firmes da vítima. 

Materialidade do crime de fraude eletrônica patente. E a autoria? Esta se evidenciou porque a Polícia, diligente nas investigações, por meio de buscas no sistema SINESP, verificou que a conta corrente vinculada à aludida chave tinha a titularidade do acusado que já tinha sido alvo de outros B.O’s. Todas as vítimas tinham a narrativa do mesmo modus operandi a compra de aparelhos celulares pela internet, com a transferência de valores para a mesma chave Pix. E todos, sem retorno. 

O delito de fraude eletrônica tem previsão descrita no artigo 171,§ 2º CP e se define com previsão de pena de 4 a 8 anos, se a fraude é cometida com a utilização de informações fornecidas pela vítima ou por terceiro induzido a erro por meio de redes sociais, contatos telefônicos  ou envio de correio eletrônico fraudulento, ou por qualquer outra meio fraudulento análogo. A condenação foi mantida. 

Processo nº 0679630-36.2021.8.04.0001

Leia o acórdão:

Primeira Câmara Criminal. Apelação Criminal n.º 0679630-36.2021.8.04.0001 . Apelante: Lucas Alfredo de Moraes. PENAL E PROCESSO PENAL. APELAÇÃO CRIMINAL. ESTELIONATO MAJORADO. FRAUDE ELETRÔNICA. ART. 171, § 2.º-A, DO CÓDIGO PENAL. ABSOLVIÇÃO. ART. 386, INCISOS V E VII, DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL. IMPOSSIBILIDADE.  COMPROVADAS. CONDENAÇÃO MANTIDA. ACORDO DE NÃO PERSECUÇÃO PENAL. AUSÊNCIA DOS REQUISITOS DO ART. 28- A DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL. APELAÇÃO CRIMINAL CONHECIDA E DESPROVIDA.

Leia mais

Regressão de regime de execução penal deve ser apurado mediante contraditório

A Defensoria Pública do Estado do Amazonas obteve em julgamento de Agravo de Execução Penal nos autos do processo 0000153-16.2021.8.04.0000, o reconhecimento de que...

Não se conhece de recurso por nulidade de citação sem demonstração de prejuízo à defesa

Nos autos de processo no qual E.E.O. de L, usou de recurso de apelação contra decisão que decretou medidas protetivas de urgência contra sua...

Mais Lidas

Últimas

Regressão de regime de execução penal deve ser apurado mediante contraditório

A Defensoria Pública do Estado do Amazonas obteve em julgamento de Agravo de Execução Penal nos autos do processo...

Não se conhece de recurso por nulidade de citação sem demonstração de prejuízo à defesa

Nos autos de processo no qual E.E.O. de L, usou de recurso de apelação contra decisão que decretou medidas...

Não merece reforma decisão que nega acolhimento a recurso por falta de previsão legal

No bojo de investigações que foram instauradas mediante prisão em flagrante delito ante Plantão Criminal da Comarca de Coari/AM,...

É incabível pedido que consista em pretensão de novo julgado de matéria já decidida

Não havendo contradição interna entre os fundamentos do voto, no caso de acórdão, e sua conclusão, inexiste matéria a...