Cônjuge não precisa ser citado em ação possessória firma decisão no Amazonas

Cônjuge não precisa ser citado em ação possessória firma decisão no Amazonas

O Desembargador Délcio Santos, do Tribunal de Justiça do Amazonas, relatou voto condutor em recurso de apelação e concluiu que nas ações possessórias não há a necessidade de citação do cônjuge da parte senão restar demonstrado ser o caso de posse comum do casal ou de ato praticado por ambos os cônjuges. Alegada a necessidade de participação do cônjuge na ação e da possível nulidade dela decorrente por sua inexistência, sem demonstrar a imprescindibilidade dessa medida, não há nulidade, firmou. O recurso foi manejado pelo réu na ação possessória, Nilton Filho.

A sentença atacada julgou procedente uma ação de reintegração de posse promovida pelo recorrido Francisco Ferreira, que estaria alugado para terceiros, juntado a promessa de titulação pela Suhab/Am, dispondo o juiz de primeiro em determinar a reintegração de posse ao autor, contra a qual se irresignou o réu.

No caso concreto, as nulidades indicadas consistiram em firmar, na apelação, a presença de nulidades processuais arguidas por ausência de participação do cônjuge do autor ou pela falta de seu consentimento para a propositura da demanda, bem como, ainda, pela falta de citação da companheira do recorrido para compor o litisconsórcio passivo na ação processual.

O julgado firmou que a exigência do consentimento do cônjuge se limita às ações sobre direitos reais imobiliários, o que era diverso do caso dos autos. Para o julgado não restou demonstrado nos autos a real necessidade de inclusão da esposa do apelado ou da companheira do apelante, que sequer teria comprovado a união estável alegada.

Processo nº 0234779-26.2011.8.04.0001

Leia o acórdão:

SEGUNDA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL – MANAUS PROCESSO N.º 0234779-26.2011.8.04.0001 APELANTE: NILSON DE OLIVEIRA COSTA FILHO ADVOGADO: RUBENITO CARDOSO DA SILVA JÚNIOR APELADO: FRANCISCO FERREIRA DE MENDONÇA ADVOGADA: EMÍLIA CAROLINA MELLO VIEIRA EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL. PROCESSUAL CIVIL. REINTEGRAÇÃO NA POSSE. ARGUIÇÃO DE NULIDADE POR FALTA DE CONSENTIMENTO OU PARTICIPAÇÃO DO CÔNJUGE DO AUTOR E POR AUSÊNCIA DE
CITAÇÃO DA COMPANHEIRA DO RÉU. LITISCONSÓRCIO. CASO  CONCRETO.  ESNECESSIDADE. HIPÓTESES DO ART. 73 DO CPC NÃO VERIFICADAS. AÇÃO DE ÍNDOLE POSSESSÓRIA. RECURSO CONHECIDO   E NÃO PROVIDO. 1. A exigibilidade do consentimento do cônjuge se limita às  ações sobre direitos reais imobiliários, na forma do art. 73 do CPC, o que não se confunde com o caso dos autos; 2. Nas ações possessórias, segundo a jurisprudência do STJ não há a necessidade de citação do cônjuge da parte se
não restar demonstrada a composse ou o ato praticado por ambos oscônjuges. Inteligência do 73, §2º, do CPC; 3. Caso em que não restou demonstrado nos autos a real necessidade de inclusão da esposa do apelado no feito, sobretudo no tocante às hipóteses previstas no art. 73, §§1º e 2º, do CPC; 4. Apelante que não comprovou possuir união estável com a suposta companheira e, ainda que fosse reconhecida a entidade familiar, não colacionou documentos que permitam inferir qualquer vínculo da parceira do apelante com o imóvel sub judice; 5. Desnecessidade de formação do litisconsórcio necessário, seja ativo ou passivo; 6. Sentença mantida, com majoração dos honorários; 7. Recurso conhecido e não provido.

Leia mais

É possível concessão de benefício previdenciário diverso do pedido, define TJAM

Em embargos de declaração aos quais se concedeu efeitos infringentes contra Acórdão que julgou Recurso de Apelação de Janira do Socorro de Azevedo Paixão...

Estupro de Vulnerável com vítima sobrinha impõe a acusado no Amazonas aumento de pena

Na ocasião em que a vítima, criança  de 07 anos, se deslocou para atender ao pedido de frutas solicitado pelo tio, Ciro Lima, em...

Mais Lidas

Últimas

Desvalorização no preço de carro leiloado em ação penal não gera indenização

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou recurso de um comerciante de 60 anos, residente em Itajaí...

DPU e MPF pedem R$ 50 milhões à União após mortes de Dom e Bruno no Amazonas

Manaus/AM - Após as mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, a Defensoria Pública da União...

TRT-MT nega indenização à trabalhadora que recusou ser reintegrada após gravidez ser descoberta

A Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (MT) negou o pedido da ex-empregada de um supermercado...

Empregado de Porto Alegre que falou mal da empresa em grupo de WhatsApp é despedido por justa causa

As mensagens foram enviadas pelo auxiliar administrativo para um grupo composto por pessoas estranhas à instituição de ensino onde...