TSE mantém cassação de vereador por fraude no registro de candidatura

TSE mantém cassação de vereador por fraude no registro de candidatura

Em sessão realizada na quinta-feira (12), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) manteve a cassação do mandato de José de Almeida Bandeira (PDT), eleito vereador em Tangará da Serra (MT) nas eleições de 2020, por fraude no registro de candidatura. A ação proposta pelo Ministério Público Eleitoral aponta que o político omitiu que havia sido demitido do serviço público em 30 de janeiro de 2020, após ser comprovado que acumulava ilegalmente quatro cargos públicos de médico. O desligamento tornou-o inelegível por oito anos, conforme prevê o artigo 1º, inciso I, alínea “o” da Lei de Inelegibilidades (LC 64/1990).

No parecer enviado ao TSE sobre o caso, o vice-procurador-geral Eleitoral, Paulo Gonet, sustentou que as provas colhidas demonstram que a informação foi omitida intencionalmente no momento do registro de candidatura, visando burlar a regra inserida na legislação eleitoral pela Lei da Ficha Limpa, caracterizando a fraude. Ele ressaltou, ainda, que a fraude não ocorre apenas quando se verifica conduta ardilosa, praticada a fim de atingir a autonomia do eleitor, mas também quando o comportamento tem por objetivo burlar a legislação eleitoral.

Segundo o vice-PGE, o próprio TSE já assentou que qualquer ação ou omissão com o intuito de induzir a erro o Poder Judiciário configura ato fraudulento, suscetível de apuração via Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (Aime). Para ele, a ação ajuizada pelo MP Eleitoral busca coibir futuras tentativas de prejudicar o exame de adequação do candidato.

Tese fixada – Durante o julgamento, os ministros debateram a fixação de uma tese, para ser aplicada em eleições futuras, relacionada à omissão de informação quanto a causas de inelegibilidade. O ministro Edson Fachin lembrou que a Constituição Federal estabelece que ninguém é obrigado a produzir prova contra si mesmo. Já o ministro Ricardo Lewandowski destacou que a legislação eleitoral não exige que o candidato, espontaneamente, apresente à Justiça Eleitoral fatos que possam impedir sua candidatura.

Os dois ministros, no entanto, concordaram que se o político atua para induzir a Justiça Eleitoral a erro, a fraude fica configurada. Diante disso, o TSE fixou tese prospectiva no sentido de que os candidatos devem apresentar no registro de candidatura todas as informações e os documentos exigidos em lei e resoluções do TSE. Entretanto, o silêncio acerca de outras informações, que possam lhe desfavorecer, não configura fraude no registro de candidatura.

Fonte: Asscom MPF

Leia mais

Não há dano a imagem na publicação de foto em reportagem com nítido interesse público, diz TJ/AM

A Desembargadora Maria do Perpétuo Socorro Guedes Moura, ao relatar apelação, reverteu a decisão do juiz Paulo Feitoza que havia condenado o Amazonas em...

Manaus Ambiental é condenada a indenizar consumidor pelo seu nome ter sido indevidamente negativado

O Desembargador Cláudio Roessing determinou que a Águas do Amazonas retirasse do cadastro de inadimplentes o nome da consumidora Rita Bittencourt por reconhecer que...

Mais Lidas

Últimas

STJ revoga prisão domiciliar concedida de forma automática em razão da pandemia

Por falta de fundamentação vinculada ao caso concreto, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Rogerio Schietti Cruz...

Reunião de Diretora-Geral com Chefes de Cartório define ações para Eleições 2022

A Diretora-Geral do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas, Melissa Lavareda, reuniu, ontem (25/06), os Chefes dos Cartórios Eleitorais para...

Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas tem um novo membro

Na manhã desta quinta-feira (26/05), o doutor Pedro de Araújo Ribeiro foi empossado como juiz substituto, na Classe dos...

Não há dano a imagem na publicação de foto em reportagem com nítido interesse público, diz TJ/AM

A Desembargadora Maria do Perpétuo Socorro Guedes Moura, ao relatar apelação, reverteu a decisão do juiz Paulo Feitoza que...