Azul Linhas Aéreas é condenada por desrespeitar jornadas de trabalho

Azul Linhas Aéreas é condenada por desrespeitar jornadas de trabalho

Brasília/DF -O juízo da 17ª Vara do Trabalho de Brasília (DF) condenou a Azul Linhas Aéreas Brasileiras S.A. ao pagamento de indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 500 mil. A empresa, também, está obrigada a se abster de manter empregadas e empregados trabalhando durante o intervalo intrajornada.

A Sentença é decorrente de Ação Civil Pública ajuizada pelo procurador José Pedro dos Reis, representando o Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal (MPT-DF), que apurou o descumprimento de normas relativas à duração do trabalho. Entre elas, falta de intervalos intrajornada e de intervalos entre jornadas, não conceder descanso semanal de 24 horas consecutivas e manter o empregado trabalhando durante o período de repouso e alimentação.

No espaço de um ano, a perícia contábil do MPT analisou 85.289 folhas de ponto de trabalhadores da Azul de todo o território nacional. Foram constatadas mais de 600 mil irregularidades, afetando 6.646 empregados.

“A conduta da reclamada, ao deixar de fiscalizar o cumprimento das normas trabalhistas de cada um de seus empregados pode ser entendida como ato ilícito contratual, primeiro elemento configurador da responsabilidade civil.”, afirma o juiz Paulo Henrique Blair de Oliveira.

Os representantes da Azul Linhas Aéreas, em sua defesa, reconheceram que “muito embora a empresa não esteja ilesa de que irregularidades venham a ocorrer, é certo que, desde o início de 2017, vem trabalhando incansavelmente no sentido de eliminá-las, tal como se depreende dos cartões de ponto ora acostados”.

O juiz Paulo Henrique de Oliveira rejeitou os embargos de declaração apresentados.

Processo nº 0000204-96.2017.5.10.0017

Fonte: Asscom MPT-DF

Leia mais

Juiz deve analisar condições sociais e pessoais do segurado em aposentadoria por invalidez

Segurado do INSS que nessa condição leva o Instituto Nacional do Seguro Social à condição de Réu em ação acidentária e cuja incapacidade para...

Proibir policial investigado de ser promovido na carreira viola a presunção de inocência

O Tribunal de Justiça do Amazonas definiu que as regras que dispõem sobre a moralidade administrativa não se confundem nem podem se sobrepor às...

Mais Lidas

Últimas

TRF-3 diz que marcas de indústria de brinquedo podem ser penhoradas

A Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) ratificou decisão da 10ª Vara de Execuções Fiscais...

Juiz deve analisar condições sociais e pessoais do segurado em aposentadoria por invalidez

Segurado do INSS que nessa condição leva o Instituto Nacional do Seguro Social à condição de Réu em ação...

Publicações em rede social que provoquem risos não podem ser tidas como criminosas

A postagem na rede social Twitter consistiu no comentário sobre uma notícia, veiculada em telejornal estrangeiro, de furto de...

Incitar o crime por rede social é conduta que agride a paz pública

Por ter feito publicações no Facebook enaltecendo uma facção criminosa e ter atingido um número indeterminado de público, Lucas...